Pastor afirma que Globo e Drauzio Varella devem perdão por muitas outras coisas Após o doutor Drauzio Varella pedir perdão se magoou alguém na reportagem em que coloca o estuprador e assassino de uma criança como vítima, o pastor Josué Valandro Jr., líder da Igreja Batista Atitude, divulgou um vídeo em suas redes sociais dizendo que o médico e a TV Globo, emissora responsável pela reportagem, devem perdão por muitas outras coisas.

No vídeo, Valandro cita uma ilustração compartilhada por ele que mostra o médico abraçando o detento transexual e uma criança morta no fundo da cena.

“Eu postei uma foto que eu recebi pelo WhatsApp, em que apresentava uma encenação do que foi mais ou menos um quadro do programa Fantástico, da Rede Globo, em que o Dr. Drauzio Varella entrevistava uma pessoa e essa pessoa era colocada como uma vítima da sociedade. Ela era uma pessoa que tinha sido abandonada, a família não procurava, muito sofrimento. E depois veio a público o reconhecimento de que aquela pessoa estava ali por um motivo muito cruel. Ela havia matado uma criança de 9 anos, depois de estuprá-la. Isso foi muito triste. Depois apareceu gente da família dizendo também que não foi a primeira vez que situações de estupro aconteceram na vida daquele moço”, iniciou o pastor.

Ele segue esclarecendo que o fato de perdoar um criminoso não anula o crime cometido, a perda de uma vida, a dor sentida pelos familiares. Tudo simplesmente ignorado na reportagem do Fantástico que falava sobre o “drama” de transexuais que dividem a mesma cela com outros homens.

“Nós não podemos dizer que ele não tem perdão. Ele tem. Deus pode perdoar qualquer pessoa, mas ele não estava ali naquela situação à toa. Estava ali fruto de uma ação muito perversa para com a sociedade. Então, eu vi agora uma manifestação do Dr. Drauzio Varella, pedindo perdão, se feriu alguém, dizendo que ele estava ali como médico, não como juiz. Não, não é verdade! Ele não estava como médico, ele não estava medicando ninguém ali, ele estava ali como um repórter. E como todo o documentário, havia uma pauta. E essa pauta tinha um objetivo. O objetivo era para mais uma vez fatiar a sociedade. Mais uma vez dizer que as pessoas que vivem a questão transexual são vítimas da sociedade, e que todo mundo é contra eles, e que por isso essas pessoas que vivem isso, tem que abraçar uma ideologia e abraçar até mesmo uma linha partidária. Isso aí é claro, isso é óbvio. Ninguém pode duvidar que tinha um objetivo ali”, comenta o pastor Josué.

Após a repercussão do caso, quando vieram à tona os crimes cometidos pelo transexual Susy, pessoas que escreveram cartas e até fizeram uma vaquinha virtual para ajudar o criminoso se sentiram enganadas. O Dr. Drauzio pediu perdão pela omissão de uma informação tão importante. O Fantástico chegou a se pronunciar com uma nota em que dizia que o objetivo da reportagem não era falar dos crimes cometidos pelos trans. Para o pastor Valandro, a intenção da Globo e do médico vai muito além da informação.

“Ele só pediu perdão pela matéria porque o caldo entornou e houve uma repercussão negativa no Brasil inteiro. Mas não vai pedir perdão das matérias que já fez afirmando que a ideologia de gênero é uma coisa científica? E não é. Ninguém nasce sem saber o que é. Nasce menino, nasce menina. Então que história é essa? Quantas matérias que foram feitas insinuando que se poderia viver uma sexualidade, um princípio de vida, completamente distorcido do que a ciência diz. E as pessoas acreditando nisso. Não, não! Tem que pedir perdão de muito mais coisa, muito mais matérias que foram feitas para destruir o pensamento das crianças, para fazer dos pais que têm seus filhos com qualquer tipo de postura, não tratarem e não ajudarem, achando que é normal qualquer tipo de comportamento”, comentou.

O pastor prosseguiu defendendo o direto das crianças de serem o que Deus escolheu que fossem: menino ou menina. Valandro demonstrou toda sua revolta contra a construção de uma ideologia de gênero disfarçada em preocupação social.

“Nós precisamos entender que as crianças têm que ser preservadas e viver aquilo que elas nasceram no seu código genético, na Biologia. Depois cada um escolhe seu caminho, cada um vai viver o que entender. Infelizmente só pediram perdão de uma partezinha, não pediram o perdão de tudo. É uma vergonha o que a Rede Globo está fazendo através do programa Fantástico, apregoando ideologia marxista, apregoando ideologia de separação das pessoas, de vitimização de grupos, para manipulação. Nós não somos mais manipuláveis, acabou a gracinha. Chega”, finalizou.

Siga-nos