Irã já liberou mais de 120 mil presos por causa do coronavírus O Irã libertou cerca de 70 mil presos por conta do surto de coronavírus no país, um dos mais atingidos pela Covid-19, disse esta semana o chefe do judiciário Ebrahim Raisi, segundo o jornal Mizan, o portal de notícias do órgão. O número de mortes por Covid-19 no Irã passa dos 230 e o de contágios, é superior a 7 mil. Existe a esperança de que entre os liberados estejam cristãos presos por anunciar o Evangelho. No país majoritariamente islâmico, as restrições a práticas missionárias são severas.

“A libertação de prisioneiros, até o ponto em que isso não crie insegurança na sociedade... continuará”, disse Raisi.

O chefe do judiciário não disse quando os libertos precisam voltar para a cadeia e nem quantos outros presos serão liberados.

No último dia 4, o Irã já havia liberado outros 54 mil prisioneiros cujos exames deram negativo para a presença do coronavírus e com penas menores do que cinco anos. Com isso, já passa de 120 mil o número de detentos que deixaram as penitenciárias iranianas. Na ocasião, a medida foi justificada como um esforço para evitar a disseminação da Covid-19 nos presídios lotados.

Raisi não especificou se os presos liberados voltarão para a cadeia. Nas ruas do Irã, o clima tem sido de apreensão. Na última semana, o presidente do país, Hassan Rouhani, afirmou que a nova doença atingiu quase todas as províncias iranianas.