Ouça aqui a Rádio Melodia!

Para combater a intolerância, modelo evangélica desfila em ala de candomblé no Carnaval do Rio As causas defendidas por evangélicos parecem passar longe do compromisso de anunciar o Evangelho de Cristo a todo criatura. Joyce Salvador, de 27 anos, por exemplo, se preocupa mesmo é com a intolerância. Para combatê-la, ela desfilou em uma ala que representava a iniciação ao candomblé na escola de samba Acadêmicos do Grande Rio, no sábado (23), no Rio de Janeiro.

A modelo, que se diz evangélica, disse ao jornal Extra que serve a um Jesus que é contra a intolerância.

“Quando ouvi essa parte do samba, que diz ‘eu respeito o seu amém e você respeita o meu axé’, entendi que precisava vestir essa camisa para mostrar que eu sirvo a um Jesus que é contra a intolerância. É importante eu estar aqui”, disse a modelo, que é negra.

Em seu perfil nas redes sociais, além de modelo e cristã, a moça de autodenomina como militante e poetisa.

Ela conta que se identificou com a letra que homenageia Joãozinho da Gomeia no enredo “Tata Londirá: o canto do caboclo no quilombo de Caxias”, e quis participar da seleção para integrar a ala que representa os iaôs, pessoas que se iniciam no candomblé.

Joyce mora em Duque de Caxias, cidade sede da Grande Rio, e integra a Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito, um movimento evangélico de esquerda que em 2018 fez oposição à candidatura do presidente Jair Bolsonaro.