Ouça aqui a Rádio Melodia!

Preto no Branco leva a Palavra no trio elétrico de Cláudia Leitte É cada vez mais frequente a presença de evangélicos no carnaval. O propósito é quase sempre o mesmo: levar o Evangelho de cristo aos foliões. Igrejas como a Batista Atitude, A Bola de Neve e a Comunidade Evangélica Internacional da Zona Sul têm até bloco com desfile nas ruas do Rio de Janeiro. Algo que já se tornou “comum” na agenda destas igrejas. A surpresa este ano foi uma banda gospel no carnaval da Bahia.

Na quinta-feira (20), a banda Preto no Branco subiu no trio elétrico da cantora Cláudia Leitte. Nas redes sociais, os músicos agradeceram a oportunidade dada pela cantora de axé e lembraram que a “palavra nunca volta vazia”.

“Nossa gratidão a Deus e também nossa querida @claudialeitte que não teve preconceito em nos convidar para fazer o que mais amamos no seu trio em plena noite de carnaval no maior circuito do mundo. Voltamos pra casa na certeza que a mensagem nunca volta vazia. Louvamos ao nosso Deus no lugar mais improvável. Para os que nos julgam e não entendem a nossa motivação e objetivo só pedimos que orem por nós. Somos servos e pra cantar o amor de Deus é tudo que mais queremos fazer não importa onde”, diz a legenda de uma foto do vocalista em cima do palco ao lado de Cláudia Leitte fantasiada de guarda municipal.

“Só lembrar que o Apóstolo Paulo pregou no Areópago, lugar cheio de ídolos. Ninguém acende uma candeia e põe debaixo da cama! Sejamos luz sem perder o brilho”, comentou um seguidor feliz com o feito do Preto no Branco.

“Irmãos, confesso que em um primeiro momento veio à mente a vontade de criticar tal atitude, entretanto, tocado pelo Espírito Santo, apenas vou glorificar, pois a semente sempre nasce”, disse outro.

O pastor Renato Vargens, da Igreja Cristã da Aliança, em Niterói/RJ, é da linha que prefere o retiro espiritual no período de carnaval. Em um vídeo, ele diz que eventos evangélicos no ambiente de carnaval não levam os valores do Reino aos foliões. Ele lembra que, apesar de sermos chamados para nos relacionar com a cultura, nós somos chamados para ser santos.

“Por que não evangelizar os foliões ao longo do ano? Por que ao longo dos 12 meses do ano não se investe em evangelização? Por que tem que ser desta maneira? Isso é ineficaz, inócuo. Não produz absolutamente nada. E leva o cristão a uma experiência de carnalidade pura”, disse o pastor entre outras palavras.