Força Nacional é enviada ao Ceará após policiais balearem senador Tropas da Força Nacional chegam hoje (20) ao Ceará. Segundo o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, o envio tem a missão de "proteger a população" e conter a crise em meio ao motim de policiais que reivindicam aumento salarial. Os militares devem ficar no estado por 30 dias.

Ontem (19), o senador licenciado Cid Gomes foi baleado quando tentava entrar com uma retroescavadeira em um batalhão da Polícia Militar em Sobral. O Hospital do Coração informou que o estado de saúde de Cid é estável e que não há risco de morte.

Em coletiva realizada horas antes do episódio com Cid, o titular da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Estado do Ceará, André Costa, falou sobre medidas para conter a greve dos policiais militares. Entre elas, ele anunciou que policiais militares e esposas dos agentes identificados responderão pelos crimes militares de motim, revolta e depredação do patrimônio público.

Inquéritos também estão sendo abertos contra eles e elas, as quais se identificam como esposas de militares. Segundo o secretário, até o momento, 261 policiais estão sendo investigados por crimes militares por ações na paralisações e danos a veículos. O número de civis não foi divulgado até o momento. "Com eles (grupos militares), o Estado vai agir com rigor. Não toleraremos essas condutas. Eles serão retirados da folha de pagamento”, reforçou ele.

O Governo do Ceará já havia anunciado que todos os policiais envolvidos nos atos de reivindicação salarial seriam alvo de Inquérito Policial Militar (IPM) e Processo Administrativo Disciplinar (PAD), além de serem excluídos da próxima folha de pagamento.