Ouça aqui a Rádio Melodia!

Alunos da rede pública estadual do RJ voltam as aulas e terão que beber água da Cedae As escolas da Secretaria de Estado de Educação (Seeduc) do Rio de Janeiro iniciam o ano letivo de 2020 nesta segunda-feira (10) e, segundo o órgão, não houve compra de água mineral para o uso dos alunos. Conforme a secretaria, a Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae) “enviou laudo técnico de potabilidade atestando que a água do sistema Guandu está própria para o consumo e que a distribuição está normalizada”.

A Secretaria Estadual de Educação informou ainda em resposta à Agência Brasil, que determinou, por comunicado interno, que todas as unidades realizassem a limpeza de seus sistemas internos (caixas d’água, cisternas e filtros) antes do início do ano letivo.

As unidades de ensino da rede pública vão receber mais de 665 mil estudantes matriculados em unidades de ensino da rede pública, mas as aulas no Colégio Estadual Paulo de Frontin, no bairro Rio Comprido, zona norte do Rio, vão começar no dia 17 de fevereiro. Nos colégios estaduais Mato Grosso, em Irajá; Rodrigo Otávio Filho, em Vaz Lobo; Afonso Pena, na Tijuca, todos também na zona norte, e Deborah Mendes de Morais, em Pedra de Guaratiba, na zona oeste, além dos 11 colégios estaduais vocacionados ao ensino cívico-militar, que serão inaugurados em breve, iniciam as aulas em março.

Uniformes
Todos os alunos da rede estadual vão receber os uniformes. De acordo com a Seeduc, a distribuição gratuita estava suspensa há dez anos. Pelos cálculos do órgão, serão mais de 2 milhões de camisas, sendo duas de golas polo e uma camiseta para atividade esportiva. O desenho foi desenvolvido pelos estudantes e escolhido por meio de votação da comunidade escolar.

Outra mudança nas escolas da rede estadual é para enfrentar o calor. A secretaria começou a troca e instalação de novos aparelhos de ar-condicionado nas unidades. Ao todo, segundo a Seeduc, são cerca de 24 mil equipamentos comprados que estão sendo encaminhados para as escolas. “Até o primeiro semestre deste ano, a previsão é que todas as 1.222 escolas estejam totalmente climatizadas”, garantiu o órgão.

O governador do Rio, Wilson Witzel, disse que as medidas resultam de ações realizadas em 2019 e prometeu mais investimentos estaduais neste ano. “Neste ano letivo, os estudantes vão se deparar com uma realidade diferente. Em 2019 muitas ações foram realizadas e, neste ano, mais investimentos serão feitos para melhorar a qualidade de ensino e infraestrutura das escolas”, disse Witzel.

O secretário de Estado de Educação, Pedro Fernandes, disse neste ano letivo serão investidos R$ 160 milhões na aquisição de mobiliários e outros equipamentos e de 73 mil novos computadores. Fernandes informou ainda que será ampliado o número de escolas com turmas em tempo integral, saindo de 268 para 600.

“Além disso, a Seeduc vai ampliar o número de escolas no modelo intercultural, implementará unidades com vocação em arte, cultura, esporte e línguas estrangeiras”, disse.



*Agência Brasil