Campanha contra o sarampo chega a mais regiões do Rio A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) do Rio de Janeiro leva a vacina contra o sarampo a novas áreas da cidade nesta quinta-feira (06/02), em mais uma etapa de sua estratégia de intensificação da vacinação para o combate à doença no município. Há postos de vacinação nos supermercados Guanabara da Penha e Bonsucesso, e no Extra da Ilha do Governador. Também serão vacinados agentes da Guarda Municipal que atuam em áreas do Centro e funcionários da Comlurb das unidades de Pedra de Guaratiba, Ilha do Governador e Méier, além de trabalhadores de saúde do Hospital Municipal Piedade, Hospital Estadual Carlos Chagas, Hospital Municipal Pedro II, Hospital Copa Star, Posto de Atendimento Unimed Zona Sul, entre outros locais.

A estratégia da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) é reforçar a chamada à população, oferecendo a vacina contra o sarampo em postos extras, além de suas 233 unidades de atendimento (clínicas da família e centros municipais de saúde). Ao mesmo tempo, a secretaria tem vacinado trabalhadores de categorias profissionais que atuam direto com os turistas que chegam à cidade, estando por isso mais sujeitos ao contato com o vírus vindo de fora. Entre as categorias prioritárias estão profissionais de saúde das redes pública e privada, trabalhadores do setor hoteleiro, taxistas e demais motoristas profissionais e agentes públicos que atuam em áreas de grande circulação de pessoas.

Mais de 100 mil pessoas já foram vacinadas contra o sarampo em 2020 na cidade do Rio de Janeiro. Ao todo, do dia 1º de janeiro até o dia 1º de fevereiro, quando foi realizado o Dia D de mobilização, 103.649 receberam a dose da vacina nas 233 unidades de Atenção Primária (clínicas da família e centros municipais de saúde) da rede municipal e nas ações de intensificação da vacinação, que vêm sendo promovidas desde o dia 13 de janeiro.


QUEM DEVE SER VACINADO?

A recomendação é que todas as pessoas até 59 anos compareçam a um posto de vacinação para verificar se já tomaram as doses necessárias contra o sarampo. É importante ainda que os pais não deixem de vacinar as crianças a partir de seis meses. Para tanto, solicita-se levar a caderneta de vacinação para conferência. Mas aqueles que não têm ou perderam a caderneta também devem comparecer aos postos. Após a avaliação do profissional de saúde, quem ainda não tomou as doses necessárias à proteção ou não sabe se já tomou será vacinado.

A vacina contra o sarampo está disponível durante todo o ano nas 233 unidades de Atenção Primária (clínicas da família e centros municipais de saúde). Mas para ampliar a barreira de proteção, especialmente no momento em que casos da doença voltam a preocupar o país e o mundo, e em que a cidade se prepara para receber dois milhões de turistas para o carnaval, é importante intensificar a vacinação. O objetivo é proteger a população e fazer uma barreira contra a transmissão da doença, por meio de ações dirigidas a categorias profissionais que lidam diretamente com turistas.

"O sarampo, infelizmente, retornou ao Brasil e muitos dos turistas que chegam de fora poderão trazer o vírus, mesmo sem saber que estão com a doença. Então, precisamos proteger a cidade", alerta a secretária de Saúde, Beatriz Busch, que abriu, nos aeroportos e rodoviária da cidade, uma frente de vacinação voltada a taxistas, dando início à estratégia de vacinar as categorias profissionais ligadas direta ou indiretamente ao turismo – motoristas de taxi e aplicativos, funcionários da rede hoteleira, garis da Comlurb, guardas municipais e policiais, entre outros profissionais.