China recomenda quarentena para quem vier do país para o Brasil O ministro-conselheiro encarregado da Embaixada da China no Brasil, Song Yang, concedeu nessa sexta-feira (31) uma entrevista coletiva em Brasília. Ele destacou que o momento exige cooperação internacional e muito cuidado, para evitar pânico e a disseminação de boatos.

Song Yang também esclareceu a situação dos estrangeiros que estão na China. O encarregado afirmou que eles cumprem quarentena, mas que não estão presos no país.

“O governo chinês não está proibindo que outros governos retirem seus cidadãos. Já houve alguns casos. Entretanto, gostaríamos de manifestar que temos determinação, capacidade, experiência para tomar conta dessas pessoas na China. Os cidadãos brasileiros não estão em prisão domiciliar. Eles estão em quarentena, mas não estão isolados”.

Como a cidade de Wuhan está fechada, as pessoas não podem sair de lá por conta própria, mas, segundo o diplomata, qualquer país pode organizar uma operação logística para levar de volta seus cidadãos. O risco, de acordo com Song Yang, é que tirar pessoas de quarentena pode ajudar a propagar o vírus.

“Não é uma luta nacional, é internacional. Não precisa de pânico. É um momento para o trabalho, um momento de solidariedade, cooperação e apoio mútuo”.

Sobre os chineses que chegam ao Brasil, o encarregado da embaixada explicou que eles já ouvem no avião alertas em chinês. A orientação é que, ao desembarcar aqui, os chineses passem duas semanas em quarentena e, se observarem qualquer sintoma de coronavírus, procurem imediatamente atendimento em alguma unidade indicada pelo Ministério da Saúde.

O diplomata acrescentou que a economia da China será afetada pela epidemia, mas ainda é cedo para fazer os cálculos.