Regina Duarte encara Secretaria da Cultura como “chamado divino” Chamado divino. Assim Regina Duarte definiu o convite do presidente Jair Bolsonaro para assumir a Secretaria Especial da Cultura, ao qual ela disse “sim” nesta quarta-feira (29).

A atriz desembarcou em Brasília à tarde para os últimos acertos administrativos.

Antes de tomar a decisão, a eterna “Namoradinha do Brasil” conversou longamente com a família. Regina Duarte decidiu aceitar a missão na Cultura em função do que ela chamou de sentimento divino. “Recebi um chamado!”, comentou a atriz com seus filhos.

A artista é mãe da atriz Gabriela Duarte Franco, do produtor André Duarte Franco e do cineasta João Ricardo Duarte Gomez.

Católica praticante, Regina costuma se apoiar em sua fé para tomar decisões.

Fontes dentro do governo acreditam que, agora, Bolsonaro considere a possibilidade de fazer a pasta voltar a ter status de ministério, ou ao menos ter uma interlocução direta com o Planalto. Hoje a Secretaria da Cultura está ligada ao Ministério do Turismo.

Após a reunião com Bolsonaro, Regina Duarte deixou a sala acompanhada da reverenda Jane Silva, convidada por ela para o cargo de secretária-adjunta. Muito sorridente, a atriz respondeu aos jornalistas com um sonoro “sim” sobre o convite feito por Bolsonaro há quase duas semanas.

Jane é pastora e, desde novembro, atuava como secretária de Diversidade Cultural. Em suas redes sociais, Jane é conhecida por apoiar o presidente Jair Bolsonaro.

Jane Silva é ainda presidente da Associação Cristã de Homens e Mulheres de Negócio, fundada em 1996.