Publicidade

Auditoria descobre desvio de R$ 54 milhões na gestão Haddad A administração da prefeitura de São Paulo sob o comando de Fernando Haddad tem um novo escândalo de desvio de dinheiro. Reportagem da Globo News, mostra que uma auditoria detalhada feita pela Controladoria-Geral do Município de São Paulo descobriu um desvio de R$ 54 milhões nas contas da prefeitura paulista em um único contrato, assinado sem licitação.

O contrato foi assinado em novembro de 2013, na gestão Fernando Haddad, pela então secretária de Assistência Social, Luciana Temer, filha do ex-presidente Michel Temer. Não houve licitação. Inicialmente, o prazo era de seis meses, a um custo de R$ 11 milhões. O termo, no entanto, foi prorrogado seis vezes, totalizando quatro anos de contrato. No fim das contas, a prefeitura gastou R$ 102 milhões, dos quais 54 milhões foram desviados, segundo a auditoria.

Ao longo dos quatro anos de contrato, a secretaria foi alertada ao menos cinco vezes por procuradores da pasta para fazer a licitação, mas os alertas foram ignorados.

O rombo ocorreu na Fundac (Fundação para o Desenvolvimento das Artes e Comunicação), contratada pela Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (Smads) para fazer o cadastramento de famílias de baixa renda na cidade.

Segundo os auditores, os desvios ocorreram por meio de várias manobras contábeis na folha de pagamento de 250 funcionários contratados para entrevistar as famílias.

A fundação informava à prefeitura gastos fictícios ou calculava encargos trabalhistas com base em alíquotas muito maiores que as reais. E recebia o dinheiro da administração para pagamentos que, na prática, não existiam, de acordo com a auditoria.

Segundo a reportagem, apesar das irregularidades, a Fundac continua realizando o serviço de cadastramento das famílias. No final de 2018, a fundação assinou um novo contrato para o serviço, dessa vez após vencer um pregão. O novo contrato é de 24 meses, a um custo de R$ 21 milhões. O custo mensal é menos da metade do contrato analisado pela Controladoria.

A Secretaria de Assistência Social informou que vai analisar o relatório final da Controladoria para decidir as ações a serem tomadas. A pasta considera pedir a suspensão do contrato em vigor, mas isso dependerá de uma análise do setor jurídico da secretaria.

O ex-prefeito Fernando Haddad afirmou, por meio de sua assessoria, que mesmo sem estar inteirado da auditoria, este é o objetivo da Controladoria, criada por ele em 2013.” O ex-prefeito diz que “se houve alguma irregularidade comprovada, a empresa deve ser penalizada.”

Já Luciana Temer afirmou que precisa ter acesso ao relatório antes de se manifestar, pois estava em viagem no momento em que foi contactada pela reportagem.