Publicidade

Embaixada dos EUA no Iraque é alvo de ataques Três das cinco granadas-foguetes lançadas domingo (26) em Bagdá caíram na embaixada norte-americana, atingindo uma cantina durante a hora do jantar, mas sem causar vítimas, disse fonte dos serviços de segurança.

A agência noticiosa francesa AFP adianta que é a primeira vez que os disparos de mísseis atingem diretamente a embaixada dos Estados Unidos, localizada na "Zona Verde" de Bagdá, que tem sido alvo de tentativas de ataque nos últimos meses.

A Embaixada dos EUA não respondeu às questões colocadas, mas as forças de segurança iraquianas disseram que não houve vítimas.

É a segunda vez em uma semana que a missão diplomática norte-americana é alvo de tentativas de ataque.

Em 20 de janeiro, três roquetes caíram perto da embaixada. Uma fonte americana disse que um deles caiu perto da residência do assistente do embaixador.

O disparo do roquete de hoje ocorreu mais cedo do que o habitual. Jornalistas ouviram uma detonação na margem oeste do Tigre às 19h30 (17h30 de Lisboa).

O primeiro-ministro iraquiano, Adel Abdel Mahdi, e o chefe do parlamento, Mohammed al-Halboussi, condenaram o ataque.

Abdel Mahdi denunciou "uma agressão que poderia transformar o Iraque numa zona de guerra".
No final de dezembro, um empreiteiro norte-americano foi morto em um ataque com roquetes disparados contra uma base no norte do Iraque que abrigava soldados dos EUA.

Em retaliação, Washington realizou ataques aéreos em 29 de dezembro contra várias bases das brigadas do Hezbollah, um grupo armado xiita iraquiano de Hachd al-Chaabi, coligação de paramilitares dominados por facções pró-Irã e integrados nas forças regulares.

Pelo menos 25 combatentes das brigadas do Hezbollah foram mortos nos ataques e em 31 de dezembro milhares dos seus apoiadores atacaram a embaixada norte-americana.