Jornalista Glenn Greenwald é denunciado no caso de invasão de celulares de autoridades

O jornalista Glenn Greenwald, do site The Intercept Brasil, é um dos sete acusados pelo Ministério Público Federal (MPF) nesta terça-feira (21) no âmbito da operação Spoofing, que investiga crimes relacionados à invasão de celulares de autoridades brasileiras.



São apontadas a prática de organização criminosa, lavagem de dinheiro, bem como as interceptações telefônicas.



Para o MPF, ficou comprovado que Greenwald auxiliou, incentivou e orientou o grupo durante o período das invasões. Apesar da denúncia, o jornalista não era inicialmente investigado. 



Além de Glenn, foram denunciados Walter Delgatti Netto, Thiago Eliezer Martins Santos, Luiz Henrique Molição, Gustavo Henrique Elias Santos, Danilo Marques e Suélen Oliveira. O procurador da República Wellington Divino de Oliveira pede a instauração de um processo-crime e a citação dos denunciados para que apresentem defesa. 



Para o procurador, Walter Delgatti Netto era o líder da organização criminosa que invadiu celulares de autoridades, entre elas o então juiz federal Sérgio Moro, hoje ministro da Justiça.



Ainda segundo a decisão, o preso Danilo Marques pode ser beneficiado com a concessão de liberdade provisória, desde que respeite as medidas cautelares, como proibição de realizar contato com demais investigados, proibição de contatar testemunhas e outras pessoas que tenham participação nos fatos apurados, proibição de se ausentar da comarca ou mudar de endereço sem prévia autorização, proibição de acesso, adulteração, modificação ou destruição de elementos probatórios, prestar compromisso de comparecer em atos processuais e proibição absoluta de usar internet, redes sociais e aplicativos de mensagens.



Segundo a denúncia, a concessão da liberdade não mais afetaria o andamento das investigações, que foram finalizadas com apresentação de relatório final. "Nesse sentido, Danilo não aparenta possuir conhecimento técnico que o permita continuar com a atividade delitiva enquanto Walter e Thiago estiverem em segremamento cautelar", diz.