Ouça aqui a Rádio Melodia!

Secretário Especial de Cultura é demitido após publicar vídeo com referências nazistas

Durou pouco o tempo do dramaturgo Roberto Alvim à frente da Secretaria Especial de cultura. Ele foi exonerado nesta sexta-feira (17) após a repercussão do pronunciamento oficial da pasta usando frases de um discurso do ministro de propaganda da Alemanha nazista, Joseph Goebbels. Alvim durou apenas 2 meses no cargo.

A polêmica surgiu após um vídeo ser divulgado para anunciar o Prêmio Nacional das Artes, projeto no valor total de mais de R$ 20 milhões. Na gravação, Alvim copiou uma citação do ministro de propaganda da Alemanha nazista, Joseph Goebbels. Além disso, o anúncio traz como fundo musical a ópera "Lohengrin", de Richard Wagner, compositor alemão celebrado pelo nazismo.

O professor Olavo de Carvalho, defensor do governo Bolsonaro, criticou o pronunciamento e antecipou a demissão de Alvim.

"É cedo para julgar, mas o Roberto Alvim talvez não esteja muito bem da cabeça. Veremos", publicou Carvalho. Em entrevista à "Rádio Gaúcha" na manhã desta, o dramaturgo lamentou a declaração do guru.

“A única coisa que me entristeceu disso tudo foi essa frase do professor Olavo, um mestre pra mim, uma pessoa que ajudou muito com seus escritos”, disse Roberto Alvim.

Segundo o livro "Goebbels: a Biography", de Peter Longerich, o líder nazista afirmou: "A arte alemã da próxima década será heroica, será ferreamente romântica, será objetiva e livre de sentimentalismo, será nacional com grande páthos e igualmente imperativa e vinculante, ou então não será nada".

No vídeo divulgado pela Secretaria Especial de Cultura Alvim afirma: "A arte brasileira da próxima década será heroica e será nacional. Será dotada de grande capacidade de envolvimento emocional e será igualmente imperativa, posto que profundamente vinculada às aspirações urgentes de nosso povo, ou então não será nada", discursou Alvim no vídeo postado nas redes sociais.



O presidente Jair Bolsonaro publicou uma nota sobre o caso em suas redes sociais.



“Comunico o desligamento de Roberto Alvim da Secretaria de Cultura do Governo. Um pronunciamento infeliz, ainda que tenha se desculpado, tornou insustentável a sua permanência.

Reitero nosso repúdio às ideologias totalitárias e genocidas, como o nazismo e o comunismo, bem como qualquer tipo de ilação às mesmas. Manifestamos também nosso total e irrestrito apoio à comunidade judaica, da qual somos amigos e compartilhamos muitos valores em comum”.