Damares dará A ministra da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, dará uma festa e fará um “dia de princesa” para uma menina de 9 anos que foi vítima de racismo em Anápolis/GO no começo deste ano.

A menina será levada juntamente com a família para Brasília, onde terá um salão de beleza à disposição e uma festa na sede do ministério, com apresentação da banda do Corpo de Bombeiros. Tudo programado para acontecer na segunda-feira (20) e com recursos dos servidores do ministério.

A ministra ficou indignada ao tomar conhecimento de que a menina Ana Luísa, enquanto brincava em um parque de Anápolis, ouviu uma mulher lhe dizer que “não existe princesa preta”.
“Toda menina é uma princesa! Chega de preconceito e discriminação”, declarou Damares em suas redes sociais.

Segundo o IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), no Brasil o preconceito é sempre atribuído ao “outro”.

Assim, 63,7% dos brasileiros entendem que a raça determina a qualidade de vida dos cidadãos, principalmente no trabalho (71%), em questões judiciais (68,3%) e em relações sociais (65%).

Ademais, 93% dos entrevistados admitiram o preconceito racial no Brasil, mas 87% deles afirmaram nunca sentiram-se descriminados; 89% deles afirmam haver preconceito de cor contra negros no Brasil, mas apenas 10% admitiram tê-lo. Por fim, 70% dos brasileiros que vivem na miséria são negros ou pardos.