Publicidade

Lázaro Ramos recusa convite para representar Jesus no Carnaval

O ator Lázaro Ramos usou seu Instagram na noite desta terça-feira (14) para falar sobre o convite que recebeu para representar Jesus Cristo no desfile da Mangueira no carnaval do Rio de Janeiro em 2020.

"Ao me pensar como um dos ‘Jesus’, imediatamente comecei a refletir sobre qual o sentido da mensagem de Cristo para mim e, inevitavelmente, o amor vinha como protagonista. [...] Pensar na possibilidade do mensageiro do amor vir na forma múltipla ganhou um sentido para mim", continuou Lázaro Ramos.

O ator ainda falou sobre as reações após as primeiras notícias de que tinha sido convidado pela Mangueira:

"Pedidos na internet para que eu aceitasse, parabenização de amigos, família excitada e alguns poucos questionando. Foi uma onda de amor gigante".

Porém, Lázaro Ramos afirmou que não poderá estar presente: 

"A vida do artista é trabalhar em momentos em que a maioria das pessoas estão se divertindo. E esse é o meu trabalho, estarei trabalhando enquanto o público estará em folia".

Lázaro agradeceu pela oportunidade de se ver “como a face do amor”.

A escola de samba trará em seu desfile várias pessoas representando Jesus Cristo. Uma delas é o pastor Henrique Vieira, que tem causado polêmica entre seus seguidores nas redes sociais e também entre outros pastores. Um deles é o pastor Renato Vargens, que fez questão de manifestar sua oposição nas redes sociais.

“Acabei de receber a notícia que o ‘pastor’ Henrique Vieira não somente participará do desfile de carnaval no Rio de Janeiro, como também ajudou no enredo da escola de samba.

Ora, não me surpreende a ação do “pastor” em participar do carnaval carioca. Aliás, esse senhor não pode sequer se considerado evangélico”, comentou Renato em seu Instagram.

O pastor da Igreja Cristã da Aliança, em Niterói/RJ, também acusou o pastor de celebridades de ser defensor da teologia liberal.

“Vieira relativiza as Escrituras promovendo conceitos absolutamente antagônicos à Palavra de Deus, justificando o pecado, defendendo o aborto, negando, portanto, valores tão caros da ortodoxia evangélica. Na verdade, esse senhor além de não representar os evangélicos desconhece o significado do conceito bíblico de pecado, amor e justiça, demonstrando com isso nunca ter conhecido de fato àquele que advoga conhecer”, concluiu.