Publicidade

Aumenta perseguição aos cristãos na Europa O ano de 2019 registrou um elevado número de perseguição aos cristãos da Europa. Segundo estudo divulgado pela Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre (ACN), ocorreram cerca de 3 mil ataques contra igrejas, escolas e símbolos cristãos no Velho Continente. Foram registrados incêndios criminosos, profanação de lugares de culto, saques, roubos e atos de vandalismo.

A pesquisa foi realizada por Gatestone Institute, centro de estudos e conselho de política internacional, e aponta que os ataques foram particularmente significativos na França e na Alemanha, mas também foram registrados em larga escala em países como a Bélgica, Grã-Bretanha, Dinamarca, Irlanda, Itália e Espanha.

Para a realização deste estudo, o instituto analisou inúmeras notícias e reportagens divulgadas durante o ano passado na imprensa europeia, assim como registros policiais e publicações nas redes sociais.

O resultado indica que “aproximadamente 3 mil igrejas, escolas, cemitérios e monumentos cristãos foram vandalizados, queimados, saqueados ou desfigurados na Europa durante 2019 – mais de cinco por dia. Um ano recorde para a hostilidade anticristã no continente”.

Conforme assinala a ACN, estes dados confirmam uma tendência registrada ao longo dos últimos tempos e que tem sido avaliada por diversas entidades. Uma delas, o Observatório da Intolerância e Discriminação contra os Cristãos, denunciou em junho do ano passado que durante os meses de abril e junho, foram registrados 30 incidentes em igrejas apenas na Alemanha.

Do mesmo modo, a França surge como um dos países onde têm ocorrido mais incidentes contra igrejas e símbolos cristãos. Em abril de 2019, a Fundação ACN informou sobre relatórios dos serviços de segurança que evidenciavam um aumento do número de ataques ao longo dos últimos três anos.

De 2016 a 2018, segundo um relatório do Serviço Central e Inteligência Criminal, citado pelo jornal ‘Le Figaro’, “houve milhares de casos de vandalismo nas igrejas”, com 1.063 ocorrências registradas em um dos anos, o que dava, nesse caso, uma média de quase três casos por dia.

Estes dados foram divulgados após doze igrejas francesas terem sido saqueadas, profanadas e alvo de atos de vandalismo no espaço de apenas sete dias, durante a segunda semana de março de 2019.

Entretanto, no final de 2019, o Observatório da Intolerância e Discriminação contra os Cristãos publicou um relatório sobre o ano de 2018 em que documenta “um aumento no número de igrejas, símbolos cristãos e cemitérios em toda a Europa sendo vandalizados, profanados e queimados, em comparação com os anos anteriores”.

Segundo a diretora executiva do Observatório, Ellen Fantini, “os cristãos são ‘pressionados’ de muitas maneiras diferentes na Europa: desde interferência nas liberdades de consciência, expressão e associação, até negação de acesso à justiça e serviços jurídicos”.

Aponta ainda diversas situações em que isso se verifica, como a violação dos “direitos dos pais cristãos de criar seus filhos em conformidade com a sua fé”. “Os símbolos religiosos cristãos são removidos da praça pública, os cristãos são submetidos a estereótipos negativos nos meios de comunicação social e os grupos cristãos são excluídos do campus universitários”, completou.