Bolsonaro alerta para “nefasta ideologia de gênero e aborto” na Agenda 2030 da ONU O presidente Jair Bolsonaro afirmou que a Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU) inclui a "nefasta ideologia de gênero e o aborto".

Em postagem feita em sua conta no Twitter no último dia de 2019, o presidente disse:

"Dentre as 'metas' da agenda 2030, estão a nefasta ideologia de gênero e o aborto, sob o disfarce de 'direitos sexuais e reprodutivos'", escreveu o mandatário brasileiro, compartilhando uma notícia a respeito do seu veto a diretrizes da agenda da ONU.

Um dia antes Bolsonaro havia vetado o artigo que incluía "a persecução das metas de desenvolvimento sustentável" da ONU entre as diretrizes do Plano Plurianual (PPA) 2020-2023 no "Diário Oficial da União".

Esse foi o único trecho do PPA vetado por Bolsonaro. Previsto na Constituição, o PPA estabelece diretrizes, objetivos e metas a serem perseguidos pela União, Estados e municípios ao longo de quatro anos.

A agenda 2030 lista 17 objetivos a serem alcançados por todos os países do mundo até o fim da próxima década. Dentre essas metas, estão acabar com a pobreza e a fome, alcançar igualdade de gênero, universalizar acesso a água e saneamento, reduzir a desigualdade, conservar os oceanos e ecossistemas e "tomar medidas urgentes" para combater a mudança do clima e seus impactos".

Mais de 42 milhões de abortos ocorreram por todo o mundo em 2019, de acordo com o serviço de rastreamento Worldometers , constatando mais uma vez que o aborto foi a maior causa de morte no planeta.

“Segundo a OMS, todos os anos no mundo há cerca de 40 a 50 milhões de abortos. Isso corresponde a aproximadamente 125.000 abortos por dia”, observou o Worldometers.