Incêndios na Austrália são considerados bombas atômicas

A hashtag #prayforaustralia (#orepelaaustralia) é uma das mais populares neste início de ano diante dos incêndios florestais ocorridos nesse país da Oceania, que já deixaram 23, segundo informações divulgadas neste sábado (04). O primeiro-ministro Scott Morrison informou que foram convocados 3 mil reservistas das Forças Armadas para combater as chamas que devastam o país.



Os incêndios também são tão quentes e tão grandes que eles estão criando seus próprios padrões climáticos, o que pode piorar as condições.



“Isso não é um incêndio florestal”, disse Andrew Constance, ministro dos Transportes de New South Wales, à rádio ABC. “É uma bomba atômica.”



Calcula-se que um terço da população de coalas — cerca de 8.000 animais — tenha morrido em decorrência do fogo. A ministra do Meio Ambiente da Austrália, Sussan Ley, afirmou à Australian Broadcasting Corporation que cerca de 30% dos habitats da espécie foram destruídos.



Os moradores de Sydney, a maior cidade do país, foram orientados a racionar energia.



Na sexta-feira (3), o exército da Austrália iniciou uma operação para resgatar cerca de 4.000 pessoas refugiadas no litoral sudeste, segundo jornal britânico The Guardian.



Moradores e turistas foram resgatados pelo mar, muitos estavam retidos nas praias desde 31 de dezembro. Com altas temperaturas durante os meses de janeiro e fevereiro no país, não há previsão iminente do fim dos incêndios.



Mais de 12 milhões de acres queimaram até agora, uma área maior que a Suíça, e os danos devem piorar apenas nas condições extremamente áridas que permitem que os incêndios se espalhem.