Publicidade

STF impede que escolas públicas de Manaus tenham uma Bíblia A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) negou o terceiro recurso da Câmara Municipal de Manaus (CMM) para manter os efeitos da Lei n° 1.679/2012 que estabelecia a obrigatoriedade de os espaços públicos municipais de leitura disporem de, no mínimo, um exemplar da Bíblia Sagrada, o livro mais lido em todo o mundo.

A lei, de autoria do vereador Marcel Alexandre (PHS), foi derrubada pelo Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM) em julho de 2018. O desembargador Sabino Marques, relator da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), julgou que a lei contrariava o princípio do Estado laico.

Em março deste ano, quando o ministro Marco Aurélio Mello, do STF, negou uma liminar que tentava restabelecer a legalidade da lei, o magistrado declarou: “O Estado deve abster-se de manifestar efeitos negativos que podem afastar-se da sua neutralidade com relação à religião".

Mesmo com o segundo recurso sendo rejeitado pelo ministro Marco Aurélio, a CMM recorreu novamente.

Os artigos 1º e 2º da lei estabeleciam a obrigatoriedade de os espaços públicos disporem de, no mínimo, um exemplar da Bíblia Sagrada sob pena de multa de 500 Unidades Fiscais do Município (UFMs), o que equivale a R$ 52,7 mil, e na hipótese de reincidência, multa de 1 mil UFMs, o que corresponde a R$ 105,4 mil.