Publicidade

Esposa de pastor preso na China relata suspeita de tortura A esposa do pastor chinês, Zhang Shaojie, o visitou na Segunda Prisão na província de Henan, no dia 13 de dezembro, junto com sua irmã. Ela se mostrou preocupada com a saúde do marido. Ele foi preso pelo governo comunista chinês de Xi Jinping, que repreende qualquer tipo de manifestação cristã.

“Eu pude sentir que ele se tornou outra pessoa”, disse ela à China Aid.

Em novembro de 2013, o pastor da Igreja Cristã do Condado de Nanle – que foi vetada pelo Estado – foi preso, depois de uma disputa com autoridades locais que estavam tentando tomar terras da igreja. Em julho de 2014, ele foi condenado a 12 anos de prisão, acusado de “reunir uma multidão para perturbar a ordem pública” e também por “fraude”.

O pastor cumpriu seis anos de sua sentença até agora e, apesar de sua tentativa de apelar, as autoridades locais atrasaram deliberadamente o processo.

Sua esposa, Wang Fengrui, disse que Zhang foi alimentado na prisão com um tipo de pílula branca pequena nos últimos seis meses. Embora sua família tenha tentado lembrá-lo de não tomar pílulas desconhecidas, Zhang alegou que ele tem pressão alta e, se parar de tomar as pílulas, sofreria.

Sua família percebeu que seu estado mental se deteriorou, com uma mudança completa de caráter. Nas visitas anteriores, ele perguntava como estava sua família e pedia para que eles se cuidassem. Mas atualmente, ele os questionou “por que eles não o encontraram”, “como é que não houve reunião com ele”.

Segundo a família, o pastor também ficou furioso, culpando sua família por “abandoná-lo no momento em que o Presidente Xi está fazendo um trabalho maravilhoso”.

Ele chegou a culpar sua esposa por lhe dar o tamanho errado de sapatos, sendo que ela os comprou há mais de 30 anos e não poderia ter confundido seu tamanho. Wang acredita que deve haver pessoas dentro da prisão que estão tentando dividir sua família, enquanto fazem uma lavagem cerebral no pastor.

A filha mais velha de Zhang, que conseguiu fugir para os EUA em 2014 com a ajuda da China Aid, prometeu que continuará a revelar as torturas e injustiças feitas contra seu pai pelo Partido Comunista da China.