Publicidade

Juíza se nega a realizar casamento gay A juíza do Texas Dianne Hensley, entrou com uma ação contra o Estado após ser denunciada por se recusar a realizar casamento gay, alegando que o órgão governamental violou a lei estadual, punindo-a por ações tomadas de acordo com sua fé.

A juíza será representada pelo First Liberty Institute, um escritório de advocacia de alto nível, alinhado com a Procuradoria Geral do Texas, no Tribunal Distrital do Condado de McLennan.

Em entrevista à CBN News, Hensley, disse que é cristã e que “acredita na Bíblia” e que sua consciência a proibia de fazer casamentos entre pessoas do mesmo sexo e achava que tinha direito a uma “isenção religiosa” de realizá-las.

Hensley tomou a decisão de não realizar casamentos contrários às suas crenças depois que a Suprema Corte dos EUA decidiu que casais do mesmo sexo se casam como um direito constitucional na decisão de Obergefell. Em vez disso, ela prometeu indicar casais gays a outras pessoas que prestariam o serviço.

Segundo um comunicado, Hensley respondeu apelando ao seu direito de seguir suas crenças como bem entender.

“Por fornecer uma solução para atender a uma necessidade da minha comunidade, mantendo-me fiel as minhas crenças religiosas, fui denunciada. Ninguém deve ser punido por isso”, escreveu ela.

De acordo com o Texas Tribune , Hensley acredita que o estado violou a Lei de Restauração da Liberdade Religiosa do Texas (RFRA) e está buscando “um julgamento declarativo do tribunal que decida que qualquer juíza de paz pode se recusar a oficiar um casamento do mesmo sexo” se a confissão de sua fé religiosa os proíbem de participar de cerimônias de casamento do mesmo sexo. ”

Ela pede indenização por danos de US $ 10.000.