A voz para o Dia dos Namorados

O rosto e a voz doce de Bruna Karla parecem esconder os 19 anos de experiência deste jovem talento da música gospel, que começou a cantar aos 11 anos. São 9 CDs, com muitas músicas escritas pela própria Bruna. Tem até um trabalho especial para crianças, mas o que não pode faltar no repertório e o público sempre cobra são as canções românticas. Bruna sempre é convidada para eventos que envolvem o Dia dos Namorados. Neste mês de junho, ela já participou de uma programação especial no Clube de Regatas do Flamengo. Foi um jantar romântico com a participação de atletas do clube como Diego, Everton Ribeiro, Rodrigo Caio e Bruno Henrique, acompanhados de suas respectivas esposas e namoradas. Mas a cantora confessa que chegou a temer que as igrejas não compreendessem o sentido de suas canções de amor entre homem e mulher de Deus.



“Foi engraçado como tudo aconteceu, porque a primeira música romântica foi “Melodia do Amor”. Eu tinha um medo muito grande, porque eu tinha 15 para 16 anos e tive medo de como a igreja iria entender isso. Mais surpreendentemente “Melodia do Amor” foi uma canção que marcou tantas pessoas, tantos casais, casamentos. E a partir de então, todos os anos eu lanço uma música romântica. Tenho até uma coletânea com sucessos românticos”, diz Bruna.



Você é casada há 12 anos. Como é essa união com o Bruno?

Família é o bem mais precioso que nós temos. Depois de Jesus Cristo vem a família. Então a gente tenta pregar, eu e meu marido, bater muito nessa tecla do casamento, dos filhos, da família, que é a constituição de Deus, projeto de Deus. É muito bom tem uma pessoa para dividir bons momentos, lutas, alegrias, conquistas. É um sonho de Deus e incrível viver isso. Infelizmente o inimigo tenta roubar da mente dos jovens, adolescentes, o verdadeiro sentido do casamento. Mas a gente está se levantando pra dizer que está repreendida toda voz do inimigo. Nós vamos sim falar sobre o amor, sobre casamento, sobre fidelidade, sobre filhos. Eu e o Bruno temos feito muito isso. Você é mãe há pouco tempo e parece que já tem muita experiência com crianças.



Qual o segredo na educação do pequeno Benjamin?

A técnica para acalmar meu filho é contar de um a três. Se ele apronta, o castigo é rígido, eu tiro o que ele gosta. Antigamente eu o colocava sentadinho na cadeirinha durante 1 ou dois minutos e depois pergunta se ele sabia porque tinha ficado de castigo. Agora que ele está maiorzinho, já entende. O castigo é tirar o que ele ama, que são os desenhos no YouTube. Também tiro o chocolate que todo dia ele come depois do almoço. Tem dado certo, porque ele fica bem calminho.

A palavra de Deus é muito clara e ela nos ensina que tem que corrigir. É muito triste ver adolescentes e jovens rebeldes porque na infância não foram corrigidos pelos pais. Você é uma pessoa muito tranquila. Também foi criada assim? Eu apanhei muito porque era uma criança desobediente. Minha mãe me dava umas varadas nas pernas, sem machucar, claro. Eu nasci em Vaz Lobo, morei em Madureira durante um tempo. Sou carioca da gema. Eu não podia interromper uma conversa de adulto. Se eu fizesse isso, já sabia que ao chegar em casa e ia dar ruim. Minha mãe me olhava e eu já sabia que iria apanhar. Uma vez eu cometi dois erros, me meti na conversa da minha mãe com o pastor e ainda falei que era mentira, sem querer. Ela me olhou e já era, levei uns tapinhas na boca. Nunca mais eu fiz aquilo. E hoje eu sou uma jovem educada, não fiquei traumatizada com absolutamente nada, sou uma pessoa super amorosa. Foi maravilhoso o ensino que minha mãe me deu. Espero que o Benjamin não precise. Mas se precisar, vou corrigir sim.



Uma das músicas mais pedidas na Melodia FM é “Fé e Razão”. Comente este sucesso.

Fé e Razão faz parte do CD Incomparável, lançado em maio de 2017. Viajei muito pelo Brasil e também no exterior divulgando este CD. É uma canção que eu fiquei muito impactada quando eu ouvi pela primeira vez. Ela não foi a primeira música de trabalho, nem teria clipe para ela. Mas foi uma canção que me impactou tanto. Quando viajei para cumprir uma agenda em Boston, encontrei um amigo e ele disse que daria tempo de fazermos um clipe para Fé e Razão. O trabalho ficou pronto em dois dias e com um lindo resultado com grande repercussão no YouTube.



Qual foi a mensagem que você quis passar nesse clipe?

É como se eu estivesse perdida naquele lugar frio, no meio de uma floresta. É como muitas vezes a gente se sente. Em alguns momentos, o ser humano se sente sozinho, como se mais ninguém estivesse por perto. Nós somos servos de Deus, mas essas coisas batem à nossa porta. A gente só não pode deixar elas fazerem morada. A gente tem que colocar a nossa fé e ação. A solidão tenta entrar, nos assustar. As vozes do inimigo, enganador, tentam nos assombrar, nos intimidar. A diferença é que a gente se levanta com autoridade e diz: "Não. No meu coração não. Eu tenho fé que acontecerá o que Deus falou na minha vida". Fé e a Razão retrata isso. No final, quando um helicóptero aparece para me resgatar é como se fosse o socorre que vem do Senhor.