Falta de resposta atrasa processo de investigação da morte do pastor Anderson do Carmo Flávio dos Santos Rodrigues, um dos filhos da deputada federal Flordelis dos Santos (PSD), permanece preso na Penitenciária Bandeira Stampa, conhecida como Bangu 9, no Complexo de Gericinó, Zona Oeste do Rio. Ele aguarda pelo depoimento da mãe no processo da morte do pastor Anderson do Carmo no qual é réu.

O processo está parado há mais de um mês. Já foram ouvidas todas as testemunhas do caso e produzidas as provas necessárias. No entanto, Flordelis usou sua prerrogativa de deputada e pediu para ser ouvida em Brasília, onde também possui residência. No início do mês passado, ela recebeu uma intimação da Justiça do Distrito Federal solicitando que indique o dia e horário que deseja prestar depoimento. Até sexta-feira (06), a deputada, pastora e também cantora não havia se manifestado.

Só após o depoimento de Flordelis, que é testemunha de defesa do filho, a Justiça do Rio decidirá se o rapaz será ou não levado a júri popular pelo assassinato de Anderson.

Em relação a Lucas dos Santos, outro filho da deputada que também é réu pelo crime, a juíza Nearis dos Santos Carvalho Arce já decidiu levá-lo a júri em sentença do dia 1º de novembro.

O advogado Ângelo Máximo, assistente de acusação nos processos respondidos por Flávio e Lucas, critica a demora na marcação do depoimento de Flordelis.

“Na minha opinião, essa demora é para a defesa do Flávio tentar o relaxamento da prisão dele por excesso de prazo. Mas isso só é cabível quando há atraso na instrução causada pelo juízo ou Ministério Público. Quando é causado pela própria defesa, essa alegação não cabe. A Flordelis é uma testemunha do próprio Flávio”, afirma Ângelo, que atua junto com o Ministério Público e representa Maria Edna do Carmo, mãe da vítima.