Publicidade

Participação do Preto no Branco em programas de TV repercute na internet

Foi ao ar na última terça-feira (26) a participação da banda gospel Preto no Branco no programa The Noite, apresentado por Danilo Gentilli no SBT. E no sábado (30), Clovis Pinho, Jean Michel e Alex Passos apareceram no É de Casa, atração matutina da TV Globo.



No The Noite, eles falaram sobre serem os primeiros artistas gospel a ultrapassarem meio bilhão de visualizações no YouTube e o novo trabalho ‘Preto no Branco 3’. 



“A necessidade era fazer um trabalho que inspirasse os jovens. Somos uma banda gospel protestante que às vezes protesta contra tudo que está errado, inclusive na própria instituição”, afirma Alex.



Ao tocarem uma palhinha de “Mais Amor, Por Favor”, Clóvis declarou: “Essa música é fruto do momento que a gente vive no Brasil. Brigas, discórdias. É para tocar no coração”.



Ainda sobre o propósito das composições do grupo, Alex completou: “A intenção é estimular a arte que transforma as pessoas, não a religião”. Sobre receberem críticas de alas mais conservadoras do meio evangélico, Clóvis comentou: “Acho natural que aconteça até certo ponto. São gerações e gerações dentro de uma linha de pensamento. Temos que alcançar um equilíbrio em um lugar onde todos possam se respeitar. Também não queremos provocar ninguém”. 



E responde quanto ao fato de um dia artistas gospel e seculares poderem transitar entre os dois lados sem julgamentos. “Sonho com isso. Kanye West já tinha uma mensagem inserida no próprio trabalho secular”.



Ao final da entrevista eles ainda agitam a plateia com “Ninguém Explica Deus”.



No programa global, o Preto no Branco foi apresentado pela jornalista Patrícia Poeta e, além de contar sobre sua trajetória, iniciada em Belo Horizonte/MG em 2015, cantou vários sucessos e emocionou ainda mais com a música “História de Natal”.



Comentários do tipo: “Eles me emocionam”, “Louvor perfeito”, “Fenômenos” e muitos outros elogios.



Clóvis contou à Patrícia Poeta que descobriu sua vocação justamente no Natal, aos 13 anos, cantando “História de Natal”. 



“A diretora da escola sempre me convidava para cantar uma música de Natal. Foi então que eu comecei a escrever”, contou o músico.



O som contagiou até quem ainda não conhecia a banda.



“Nunca tinha escutado o som de vocês e gostei muito. Vocês transmitem a verdade através das canções. Excelentes letras, com muita coerência. Muito bom. A gente agradece pela qualidade”, comentou um novo seguidor do Preto no Branco.