Publicidade

Confira dicas para aproveitar melhor a Black Friday

A Comissão de Defesa dos Direitos do Consumidor (Codecon), presidida pelo deputado Fábio Silva (DEM), alerta para os riscos das transações eletrônicas. A popularização do e-commerce e das maquininhas de cartão trouxeram facilidade na hora da compra, mas o momento do pagamento passou a exigir ainda mais cuidado. O país é o terceiro no número de fraudes virtuais, segundo dados do Serasa. Pesquisa da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) revela que 8,9 milhões de brasileiros foram vítimas de fraude no país, no levantamento feito entre março de 2018 e 2019. Destes, 41% tiveram seus cartões de créditos clonados.



Diante dos números, a Codecon reforça as orientações sobre cuidados na hora da Black Friday, megaliquidação que ocorre na sexta-feira. O presidente da comissão, deputado Fabio Silva (DEM) diz que em caso de dúvidas, o consumidor do Rio de Janeiro pode entrar em contato com o atendimento da Codecon pelas redes sociais ou pelo telefone 0800 282 7060.



“Sempre trabalhamos incansavelmente em benefício do consumidor, mais uma razão para nos colocarmos à disposição durante a Black Friday", afirma.



A principal reclamação que chega aos órgãos de defesa do consumidor é sobre maquiagem de preços. Lojas ou fabricantes aumentam os produtos antes do evento para poderem divulgar com um preço mais baixo na semana da promoção. Às vezes, esse valor a mais é embutido no frete, sem que a pessoa identifique imediatamente o aumento.



A Codecon selecionou algumas dicas para o consumidor não cair em armadilha:




  • Certifique-se de que a empresa existe, verificando se possui endereço físico e SAC (Serviço de Atendimento ao Cliente).

  • Propaganda enganosa e maquiagem de preços são as principais reclamações nos serviços de defesa do consumidor. Portanto, pesquise!

  • Frete abusivo é outra armadilha para compensar produto vendido com preço mais baixo.

  • Verifique a reputação do vendedor em sites de avaliação como Procon-RJ, consumidor.gov.br, do Ministério da Justiça e Reclame Aqui.

  • Observe se ao acessar o endereço eletrônico aparece o cadeado no canto esquerdo da barra de busca. Se estiver visível, provavelmente a loja é segura.

  • Evite sites que só aceitam pagamento por boleto. Eles não são verificados pela administradora de cartão e, em caso de fraude é mais difícil reaver o dinheiro.

  • Fique atento na hora de concluir a compra. O valor no carrinho pode aparecer diferente do resumo da compra.

  • O Código de Defesa do Consumidor determina que a loja ou fabricante em 30 dias para trocar ou reparar a falha do produto com defeito.

  • Código de Defesa do Consumidor determina que compras realizadas fora de lojas físicas - pela Internet, catálogos ou telefone - podem ser canceladas no prazo de sete dias a partir da entrega do produto, mesmo que ele não apresente qualquer defeito.

  • Se identificar uma empresa falsa, denuncie ao Procon.



A Codecon cuida de todos os direitos referentes à relação de consumo. Questões sobre Energia, Lojas de Departamento, Financeiro e Telecomunicações recebem orientação da Comissão. O atendimento é feito presencialmente na sede (sala localizada no térreo do prédio da Alerj, na Rua da Alfândega, número 8), por telefone, redes sociais e por meio da Tenda/Ônibus do Consumidor que é feito em todo o Estado do Rio.