Publicidade

Perseguição contra cristãos aumenta no Sul e Leste da Ásia A perseguição a cristãos no Sul e Leste da Ásia aumentou nestes dois últimos anos, de acordo com um relatório da organização católica Ajuda à Igreja que Sofre (AED), divulgado na terça-feira (26). Por outro lado, o grupo diz que os ataques contra os cristãos na Síria e Iraque "diminuíram consideravelmente".

Em seu relatório anual, intitulado "Perseguidos e Esquecidos", a organização fundada em 1947 na Alemanha, em meio a escombros da Segunda Guerra Mundial, traça um cenário global e preocupante.

Segundo o texto, a pior situação é encontrada no Sul e no Leste da Ásia. Durante entrevista coletiva em Paris, o diretor da AED, Benoît de Blanpré, comentou que"três tipos de ameaças" pesam sobre os cristãos nessas regiões: o extremismo islâmico, o nacionalismo agressivo e os regimes autoritários.

O relatório denuncia ainda "ultranacionalismo hindu" na Índia, que provocou "mais de mil ataques" contra cristãos em dois anos, e a situação em Mianmar, onde, de acordo com as estimativas, 100 mil cristãos foram deslocados.

Para a AED, a Coreia do Norte é "o lugar mais perigoso do mundo para se viver uma vida cristã".
Por outro lado, o relatório destaca que "a perseguição de cristãos nos principais países do Oriente Médio, como Síria e Iraque, diminuiu consideravelmente", relacionando a situação à derrota militar do Estado Islâmico. Também houve avanços no Egito, onde a população cristã é alvo há décadas de ataques, sequestros e casamentos forçados.

"Em algumas áreas (...) é provável que o desaparecimento do cristianismo se torne realidade", acrescenta a AED, citando números que comprovam a queda populacional. No Iraque, os cristãos, que totalizavam 1,5 milhão antes de 2003, hoje são "menos de 150.000" — na Síria eles são 500.000, contra 1,5 milhão em 2011.

A situação de violência na África, provocada por grupos extremistas e conflitos regionais em países como Burkina Faso, Níger, Nigéria e República Centro-Africana também comprovam no relatório o cerceamento à liberdade religiosa em todo o mundo.