Cristãos são presos na Eritreia por se recusarem a negar a Cristo A Eritreia deu mais uma demonstração de ser um dos países mais hostis ao Evangelho. Segundo informações da agência cristã de notícias Fides, cerca de 30 cristãos, membros de igrejas pentecostais no país foram presos. Pelas leis da Eritreia, eles só serão liberados se negarem a Cristo.

A agência informa que policiais fazem batidas continuamente em casas onde os fiéis de religiões não reconhecidas pelo Estado, principalmente cristãos pentecostais, se reúnem para oração comunitária.

No papel, o governo eritreu reconhece a liberdade religiosa, mas na realidade as autoridades reconhecem apenas três igrejas: ortodoxa, católica e luterana (esta última representa 50% da população), além do islamismo sunita (cerca de 48% da população). Todos os outros grupos religiosos são considerados ilegais por serem considerados “instrumentos de governos estrangeiros”.

O site relata ainda que a Igreja Católica vive uma situação difícil, pois as autoridades demandam total controle de todas as organizações de cunho religioso, como escolas, clínicas médicas, orfanatos e outras instituições de inegável importância para a população do país. Até mesmo instituições islâmicas estão sob pressão.

Organizações de direitos humanos, como a Anistia Internacional e o Observatório de Direitos Humanos dizem que o Estado eritreu sistematicamente pratica a repressão contra a oposição política e grupos sociais, e a sociedade permanece altamente militarizada.