Testemunha diz que Flordelis queria que filho assumisse crime sozinho Um novo depoimento sobre o assassinato do pastor Anderson do Carmo confirma reforça a suspeita de que Lucas Cézar dos Santos, principal acusado pelo crime, tenha sido obrigado a escrever carta de confissão.

Durante uma audiência no último dia 31, a ex-patroa de Lucas, filho de Flordelis, afirmou em depoimento que a pastora influenciou o rapaz a mudar sua versão sobre o crime. Lucas já tinha assinado uma carta confessando que teve participação na morte de Anderson, mas ele negou tudo isso no tribunal. 

Regiane Ramos era uma  das testemunhas  ouvidas e afirmou que a ideia de Flordelis era que Lucas admitisse sozinho a culpa pelo crime. A mulher ainda contou que os advogados do outro acusado pelo crime, Flávio dos Santos, que também é filho de Flordelis, influenciaram na mudança de posição de Lucas. 

Lucas trabalhou com Regiane em uma oficina de veículos antes de entrar para o tráfico de drogas. Ela e seu marido estão entre as poucas pessoas autorizadas a visitar o jovem de 18 anos na prisão.

Em sua defesa, Lucas disse que copiou o que está escrito na carta de um texto já pronto que existia na biblioteca da penitenciária. Diante dos depoimentos, a juíza do caso, Nearis dos Santos, pediu que fosse apurada a confecção da carta. Flordelis nega que tenha participado da suposta fraude ou que tenha incentivado os filhos a se posicionarem sobre o caso.