Publicidade

Franklin Graham alerta para discurso anti-bíblico da esquerda O pastor Franklin Graham vem despontando nos últimos anos como uma voz de defesa da fé cristã e de valores conservadores. Numa entrevista recente, o líder evangélico norte-americano declarou que “a esquerda, os socialistas deixaram muito claro que se opõem à igreja”. No contexto dos Estados Unidos, essa afirmação leva em conta o crescimento da influência de políticos de esquerda que se apresentam como pré-candidatos à presidência da República, em 2020.

Graham comentou que preservar princípios de fé não se trata de ser contra um grupo de pessoas, mas compartilhar a verdadeira liberdade e esperança que só a mensagem do Evangelho pode oferecer.

“Os valores e motivações da ideologia de esquerda, que abrangem o socialismo, comunismo, progressismo e outros movimentos políticos – constituem um antagonismo inegável aos valores cristãos, e no mundo todo, essa mobilização tem colocado ativistas e a Igreja de Cristo em oposição”, avaliou o pastor, filho do saudoso evangelista Billy Graham.

Dentre os principais nomes do Partido Democrata que se apresentam para disputar a indicação, políticos como Beto O’Rourke, ex-deputado federal pelo Texas, que defende a tributação de igrejas que não apoiarem a união de pessoas do mesmo sexo; Pete Buttigieg, homossexual que defende a liberação do aborto até momentos antes do nascimento; e o senador Bernie Sanders, que vê na interrupção da gravidez uma solução para problemas climáticos no planeta.

“A menos que nos curvemos e aceitemos a agenda deles relacionada à agenda LGBTQ, não aceitarão nosso status de isenção de impostos”, comentou Franklin Graham numa entrevista concedida à emissora Christian Broadcasting Network.

“Eu não sou anti-gay, não vou falar contra gays, lutar contra gays ou qualquer coisa assim, mas certamente não quero que eles forcem sua agenda em mim”, resumiu.

Franklin Graham enfatizou que, por seguir a Bíblia Sagrada, não pode aceitar a prática homossexual e que se importa tanto com pessoas que vivem esse estilo de vida a ponto de alertá-los sobre a necessidade de se arrepender de seus pecados: “Deus julgará o pecado, se nós somos mentirosos ou ladrões, todos somos pecadores e temos que nos arrepender e deixar de pecar”.

“Quero que os gays e lésbicas saibam que, se se arrependerem e se livrarem desses pecados, Deus os perdoará e curará seus corações. Mas não vou aceitar isso e dizer que o que eles estão fazendo está bem. Não está bem. Não está bem com Deus e eles estarão diante Dele um dia”, acrescentou o pastor.

Por fim, o líder cristão destacou que o grande problema não é a agenda socialista dos políticos de esquerda nos EUA, mas sim a sedução que esse discurso poderá exercer sobre muitos fiéis desavisados: “Muitos cristãos, infelizmente, vão se curvar e ceder, e muitos já o fizeram, e eu simplesmente não vou fazer isso”, concluiu.