Família lamenta soltura de assassino confesso de pastor A Justiça mandou soltar Saulo Pereira Nunes. Ele estava preso no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luiz/MA, desde 14 de outubro, após confessar a morte do pastor Mackson da Silva Costa, de 37 anos.

A decisão revoltou os familiares da vítima. Antônia Costa da Silva, mãe do pastor, diz que Saulo oferece risco à sociedade por ter premeditado o crime. Ela pede Justiça e que a decisão seja revogada.

A decisão judicial foi determinada em menos de um mês após o crime. De acordo com o desembargador José Lopes Santos, uma das razões para a soltura de Saulo Pereira é que desde que foi apontado como autor ele tem colaborado com as investigações da Polícia Civil, não há indícios que ele pretende fugir de São Luís e não responde a outro crime.

Saulo Pereira será monitorado por tornozeleira eletrônica e a cada 30 dias, deve comparecer em juízo para informar suas atividades. Além disso, ele está proibido de mudar de endereço, se ausentar da Comarca sem autorização judicial, deve se recolher em casa no período das 22h às 6h, de segunda à sexta e permanecer o dia inteiro em sua residência nos fins de semana.

Segundo a polícia, Saulo Nunes confessou o crime. O corpo da vítima estava enterrado no quintal da casa de Saulo, no Maiobão, em Paço do Lumiar, Região Metropolitana de São Luís. A motivação do crime, segundo a polícia, seria por conta de um suposto relacionamento entre a esposa de Saulo e Mackson Costa.

A polícia teria encontrado no computador da vítima diversas conversas entre ele a esposa de Saulo e uma delas, os dois combinaram um encontro.