IstoÉ será processada por comparar chefe de comunicação judeu a nazista A Federação Israelita do Estado de São Paulo (Fisesp) e a Confederação Israelita do Brasil (Conib) irão ingressar com uma queixa-crime contra a revista IstoÉ. Recentemente, a publicação apresentou uma reportagem de capa onde o secretário Especial de Comunicação Social da Presidência da República, Fábio Wajngarten, era chamado de “Goebbels do Planalto”.

As duas entidades judaicas consideraram que o texto, veiculado na edição da última sexta-feira (8), possui conteúdo antissemita.

"O texto comparando um membro da nossa comunidade ao carrasco nazista e montando um quadro ilustrativo intitulado 'a manipulação da colônia judaica' ultrapassou a barreira do jornalismo ético e informativo que todos nós prezamos enquanto brasileiro", destacam as entidades em uma nota conjunta sobre o assunto.

Joseph Goebbels, chefe do departamento de propaganda do regime nazista no final da década de 1930, foi o autor da famosa frase: “Uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade”. Sem apresentar dados concretos a, a revista acusa o chefe da Secretaria de Comunicação da Presidência da República (Secom), Fábio Wajngarten, de cortar verbas dos veículos que têm posicionamento contrário ao governo.