Julgamento de Lula no caso do sítio de Atibaia foi marcado para 27 de novembro As defesas do ex-presidente do República Luiz Inácio Lula da Silva e do ex-ministro José Dirceu pediram à Justiça, nesta sexta-feira, que eles deixem a prisão. O advogado Cristiano Zanin, que defende Lula, se reuniu com o petista na sede da Polícia Federal, em Curitiba, hoje (08) pela manhã.

Os pedidos ocorrem um dia após o Supremo Tribunal Federal derrubar a prisão de condenados em segunda instância.

Momentos depois, a secretaria da 8ª Turma divulgou que o julgamento da apelação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no processo do sítio de Atibaia será realizado às 9h do dia 27 de novembro, uma quarta-feira, na sede do Tribunal Regional da 4ª Região (TRF4), em Porto Alegre.

Lula foi condenado a 12 anos e 11 meses em primeira instância neste processo por corrupção passiva, ativa e lavagem de dinheiro, em fevereiro deste ano. Seus advogados recorreram pedindo a absolvição. O Ministério Público Federal, por sua vez, recomenda o aumento da pena.

O ex-presidente já tem os requisitos necessários para progredir para o regime semiaberto: atingiu 1/6 da pena em 29 de setembro deste ano. O Ministério Público Federal pediu a mudança para a prisão domiciliar, mas a defesa de Lula disse ser contra, porque espera a absolvição do ex-presidente.