Operação de limpeza recolhe mais de R$ 14 mil em moedas nas Cataratas do Iguaçu Uma superstição de turistas tem provocado um grande impacto ambiental em um dos principais cartões postais do Brasil: as Cataratas do Iguaçu. Todos os dias, milhares de moedas são lançadas no ponto turístico, o que, na verdade, é proibido. Elas se acumulam entre as pedras e algas e ficam presas nos buracos, causando risco ambiental ao parque paranaense. Para alcançá-las, os bombeiros precisam chegar bem perto das quedas d’água.

O problema foi revelado com a baixa vazão do Rio Iguaçu, no Paraná. Durante a ação de limpeza, colaboradores das Cataratas do Iguaçu S.A., do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e voluntários do Corpo de Bombeiros do Paraná retiraram das águas aproximadamente R$ 14 mil, o equivalente a mais de 320 quilos. Os 14 mil reais em moedas retiradas da água vão ser doados para projetos sociais.

Em um vídeo publicado nas redes sociais das Cataratas do Iguaçu, o biólogo Pedro Fogaça afirma que a atitude dos visitantes causa um problema ambiental, contaminando o lençol freático e a água do rio. Além disso, os objetos jogados na água prejudicam os peixes e aves, que podem confundi-los com suas presas, por causa do brilho.