Marinha envia maior navio ao Nordeste para conter avanço do óleo

A Marinha reforçou o combate ao crime ambiental que provoca vazamento de óleo na região Nordeste desde 2 de setembro. Os dois maiores navios de guerra do Brasil e uma fragata zarparam do Rio de Janeiro em direção aos estados atingidos pelas manchas de óleo.



O maior navio, o porta-helicópteros multipropósito Atântico, o segundo maior, o Doca Multipropósito Bahia, e a fragata Liberal se juntaram à frota que já está na região. Ao todo são 11 navios na tentativa de conter o óleo; dois mil miliatres, incluindo fuzileiros navais para auxiliar na limpeza, na recuperação, em ações humanitárias e, principalmento, no monitoramento.



Inédito na história brasileira, pela extensão geográfica e pela duração, o derramamento de óleo atingiu cerca de 2.250 km de extensão de nossas costas, em algum momento nesse período.



Como previsto no Plano Nacional de Contingência, para a gestão de ações de resposta e elucidação dos fatos, o Grupo de Acompanhamento e Avaliação (GAA), formado pela Marinha do Brasil, o IBAMA e a ANP, vem realizando um trabalho incessante, desde a primeira aparição de manchas de óleo, de monitoramento do litoral e limpeza das praias, além de conduzir investigação sobre causas e circunstâncias do evento.