Padre ordena demolição de igreja e fiéis se revoltam A demolição de uma igreja católica construída há mais de meio século, e que estava em processo de tombamento, provocou revolta entre os moradores da pequena cidade de Dom Bosco, de 3,8 mil habitantes, no Noroeste de Minas Gerais.

A derrubada da Matriz de São João Bosco, ocorrida no último fim de semana, foi ordenada pelo pároco da cidade, padre Roni da Silva. Ele alegou que a intenção é construir um templo mais espaçoso no mesmo local.

A argumentação não foi aceita pelos moradores. Indignados alguns chegaram a jogar pedra na casa paroquial, onde Roni da Silva mora, atrás da igreja demolida.

A Polícia Militar teve que ser chamada para acalmar os ânimos. O protesto foi registrado em vídeo, feito pelos próprios moradores.

“Junto com a igreja foi destruída uma história”, afirma a diretora do departamento municipal de Cultura de Dom Bosco, Nely de Fátima Souza. Ela lembra que antigos moradores não resistiram e choraram ao assistirem à retroescavadeira jogar no chão a estrutura da construção que eles ajudaram a erguer.

Outros se emocionaram porque foram batizados na Igreja de São João Dom Bosco.

“A demolição da igreja feriu o sentimento de muitas pessoas na cidade”, reclama uma moradora de Dom Bosco, que preferiu não se identificar. Ela lembrou que o templo passou por uma reforma recente.

A diretora do departamento municipal de Cultura disse que o Conselho Municipal do Patrimônio Histórico de Dom Bosco, reunido no dia 18 de outubro, listou os “bens com relevância para o patrimônio cultural do município”.


(com informações de O Tempo)