Evangélico deixou comunistas para trás na disputa pelo Nobel da Paz Uns diziam que seria Lula, outros queriam Greta Thunberg, a menina que vociferou na reunião da ONU. Mas o grande vencedor do Nobel da Paz foi o primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed Ali, evangélico pentecostal. O anúncio do 100º Prêmio Nobel da Paz foi feito na manhã desta sexta-feira (11), em Oslo, na Noruega com um justo reconhecimento da iniciativa decisiva deste cristão para resolver o conflito de fronteira com a vizinha Eritreia, no leste da África.

“Abiy Ahmed Ali recebe o Nobel da Paz. Evangélico Pentecostal dedicado, nosso irmão etíope fez diferença para a paz entre Etiópia e Eritreia. Deus abençoe a África, a Etiópia e sua amada igreja”, comemorou o teólogo Luiz Sayão em suas redes sociais nesta sexta-feira (11).

Em estreita cooperação com o presidente da Eritreia, Isaias Afwerki, o premiê de 43 anos rapidamente elaborou os princípios de um acordo para acabar com o longo impasse "sem paz, sem guerra" entre os dois países. O tratado colocou formalmente fim a 20 anos de uma guerra que deixou mais de 80 mil mortos.

"O Comitê Nobel espera que o prêmio da Paz reforce o primeiro-ministro Abiy em seu trabalho a favor da paz e da reconciliação. É um reconhecimento e também um estímulo a seus esforços. Somos conscientes de que resta muito por fazer", afirmou a presidente do Comitê Norueguês do Nobel, Berit Reiss-Andersen.

Após o anúncio, o gabinete de Abiy afirmou que o prêmio é um testemunho "dos ideais de unidade, cooperação e convivência mútua que o primeiro-ministro sempre defende". O governo etíope anunciou que o país está orgulhoso pelo prêmio.

Abiy nasceu em uma família muito pobre, em Zona Jima, no sul da Etiópia, em 1976. Ele é filho de pai muçulmano Oromo e mãe cristã Amhara. Ele ingressou na política em 2010, como membro da Organização Democrática do Povo de Oromo.

Posteriormente, ele foi eleito membro do parlamento. Nessa época, ocorreram fortes disputas entre católicos e muçulmanos e ele teve a iniciativa de criar o "Fórum Religioso pela Paz", uma solução duradoura para o problema.

Em abril de 2018, ele assumiu o cargo de premiê da Etiópia, a segunda maior população da África. Ele assinou o acordo de paz com a Eritreia em julho de 2018.

O vencedor do Nobel receberá um prêmio de 9 milhões de coroas suecas (R$ 3,72 milhões). A cerimônia de entrega acontecerá no dia 10 de dezembro, aniversário da morte do idealizador do prêmio, o industrial e filantropo sueco Alfred Nobel (1833-1896).