Histórico: iranianas assistem a futebol masculino pela primeira vez O Estádio Azadi, localizado em Teerã, será palco de um fato histórico nesta quinta-feira (10). Pela primeira vez em cerca de 40 anos, o governo local permitirá que mulheres acompanhem um evento esportivo masculino in loco. A liberação ocorre menos de um mês após o Irã se tornar alvo de críticas internacionais depois que uma mulher morreu ao colocar fogo no próprio corpo. Ela havia sido condenada à prisão pela tentativa de assistir a um jogo de futebol. A mulher teria tentado entrar no estádio vestida como homem.

O evento em questão é o jogo entre Irã e Camboja, válido pelas eliminatórias asiáticas para a Copa do Mundo de 2022.

Pressão da Fifa
Essa mudança do governo do Irã em relação à presença feminina em eventos esportivos masculinos ocorre após pressão da Federação Internacional de Futebol (Fifa), que enviou uma delegação a Teerã no mês de setembro para buscar formas de viabilizar o acesso de mulheres ao jogo contra o Camboja.

Nesta partida, quatro setores receberão mulheres no Estádio Azadi, instalação esportiva que tem 78 mil lugares.

Críticas ao governo
As mulheres iranianas foram proibidas de ver jogos masculinos de futebol em estádios após a Revolução Iraniana, em 1979. O movimento tinha como uma de suas principais bandeiras afastar, e suprimir, as influências ocidentais na cultura local.