Após 20 anos na homossexualidade, pastora leva Evangelho a gays Se existe ou não cura gay a ciência ainda não conseguiu comprovar. Mas a realidade mostra vários casos de pessoas que deixaram o homossexualismo, assim como a pastora Miriam Fróes que por 20 anos se relacionou com outras mulheres.

A uma publicação gay, a pastora da Igreja Manancial Palavra Viva disse que em sua busca por respostas, descobriu a mensagem do Evangelho, entregou sua vida a Jesus Cristo e abandonou a homossexualidade.

Atualmente, Fróes se dedica ao Movimento Ex-Gays do Brasil (MEGB). Recentemente ela e seu grupo de ação social foram recebidos pela ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves. Na reunião, a pastora aproveitou para apresentar a situação de preconceito enfrentada por ex-gays na sociedade.

O pastor e deputado federal Abílio Santana (PL-BA) está articulando a realização de uma audiência pública na Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados para debater casos de discriminação contra ex-gays.

O parlamentar entende que a “minoria dentro da minoria” vem sendo hostilizada pela militância LGBT.

Santana falou sobre os relatos de pessoas que através da fé ou de ajuda profissional deixaram de ser homossexuais, mas que ainda “sofrem preconceito e vivem num vácuo social”.

O deputado também criticou a decisão da ministra do STF Cármen Lúcia, que suspendeu uma decisão da Justiça do DF que autorizava psicólogos a prestarem atendimento de reorientação sexual. Santana classificou a decisão com cerceamento de liberdade profissional.