Dia Mundial do Coração Dia 29 de setembro é celebrado o Dia Mundial do Coração, oportunidade para chamar a atenção sobre os cuidados com este órgão de vital importância para todos nós e em que a informação pode ser o primeiro passo para salvar uma vida.

Você sabe identificar os sinais de uma parada cardíaca? Sabe fazer as manobras de reanimação (massagem cardíaca) ou usar um desfibrilador externo automático (DEA)? Provavelmente não. Isso porque, no Brasil, o socorro imediato e emergencial para os casos de parada cardíaca ainda é pouco difundido.
Não raramente, a parada cardíaca acomete pessoas ativas, que desempenham suas atividades cotidianas e, de modo repentino, por picos de estresse físico, emocional, ou doenças associadas, sofrem um mal súbito.

A parada cardíaca e a morte súbita podem não apresentar sinais prévios e quem está por perto pode salvar uma vida. Por isso, há 12 anos a Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas (SOBRAC) faz esse alerta em campanha nacional educativa – Coração na Batida Certa – produzindo ações públicas sobre a importância do apoio imediato a essas vítimas.

“É de extrema importância promover a conscientização sobre o reconhecimento e o atendimento imediato de vítimas de parada cardiorrespiratória (PCR), seja dentro de suas casas, em locais públicos, no ambiente de trabalho, em instituições de ensino e mesmo dentro de serviços de saúde. Ações preventivas e educativas, como as realizadas pela SOBRAC, atuam neste sentido”, explica a cardiologista membro da SOBRAC, Dra. Luciana Armaganijan.
 
Dicas úteis:
A morte súbita pode ser evitada, em grande parte dos casos, se o socorro à vítima for realizado rapidamente por meio de massagens cardíacas e aplicação de um choque elétrico no peito do paciente (desfibrilação).

Segundo Dr. Cristiano Pisani, cardiologista membro da SOBRAC, “é essencial, já sendo lei em alguns municípios, a existência de um desfibrilador acessível em locais públicos ou privados de grande circulação, como praças, parques, praias, shoppings centers, estádios de futebol, academias de ginástica e instituições de ensino, entre outros”.

O índice de sucesso na recuperação de uma parada cardiorrespiratória (PCR) depende diretamente do tempo transcorrido entre a sua ocorrência, o início das massagens cardíacas externas e a desfibrilação. As chances de sobrevivência da vítima diminuem cerca de 10% a cada minuto de atraso neste atendimento.

Danos cerebrais irreversíveis podem ocorrer a partir de 4 a 6 minutos após uma parada cardíaca. Poucas tentativas de reanimação cardíaca são bem-sucedidas após 10 minutos.
Se você não estiver preparado (a) para realizar as técnicas de reanimação e não souber usar o desfibrilador, acione uma equipe de socorro local e ligue rapidamente para o SAMU (192).