Governo lança projeto Libras Gov

No Dia Nacional dos Surdos, o governo federal lançou, nesta quinta-feira (26), o projeto Libras Gov, que vai criar novos sinais para a comunidade surda. A solenidade de lançamento da medida, no Palácio do Planalto, teve a presença do presidente Jair Bolsonaro, da primeira-dama Michelle, de ministros e diversas autoridades.



Iniciativa da Presidência da República, em parceria com o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos e do Ministério da Educação, o Libras Gov tem o objetivo de possibilitar, via Língua Brasileira de Sinais (Libras), o acesso de cidadãos surdos brasileiros, profissionais intérpretes de Libras, comunidade surda, entre outros, a termos específicos do governo federal e a informações relacionadas ao campo dos três Poderes que compõem a República Brasileira.



O projeto está dividido em diversas etapas e a primeira delas, apresentada durante a cerimônia, consiste na produção e divulgação de vídeos apresentando os sinais que identificam as pessoas e funções do presidente da República, do vice-presidente da República, da primeira-dama, da segunda-dama, de ministros de Estado e do porta-voz.  As demais autoridades serão incluídas nas fases seguintes do projeto. Os vídeos estarão disponíveis no portal e YouTube do Planalto, além das redes sociais do Governo Federal.



"Nesse projeto, todos terão acesso aos sinais criados por surdos que trabalham no governo e toda a sua equipe. Os surdos têm direito a adentrar às várias áreas do conhecimento", discursou, em Libras, a primeira-dama Michelle Bolsonaro, traduzida por uma intérprete. O presidente Jair Bolsonaro não falou na solenidade. 



A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, disse que uma das metas do governo é regulamentar a Lei Brasileira de Inclusão, aprovada em 2015. Ela classificou a cerimônia do Dia Nacional dos Surdos, com a presença do presidente da República, como um momento histórico. "Essa celebração aqui é para mandar um recado para o Brasil e para o mundo que nenhum surdo, nesse governo, ficará para trás", disse.



*Agência Brasil