Reino bíblico de Edom ocupava terras onde atualmente estão Israel e Jordânia

Pesquisadores israelenses e americanos anunciaram em artigo publicado em 18 de setembro na revista “PLOS One” ter descoberto a localização de um reino citado no livro inicial da Bíblia. Segundo eles, o reino mencionado em Gênesis 36.31, do início do século 10 a.C. – “(…) os reis que reinaram em Edom antes que qualquer rei israelita reinasse” – existiu no deserto de Arava, em território dos atuais Israel e Jordânia, entre os séculos 12 e 11 antes de Cristo.



Havia interpretações conflitantes sobre essa localização, em virtude dos registros arqueológicos encontrados. O estudo recente, conduzido por Erez Ben-Yosef, da Universidade de Tel Aviv (TAU, na abreviatura em inglês), e Tom Levy, da Universidade da Califórnia em San Diego (UCSD), eliminou as dúvidas. Por meio dele é possível saber mais sobre uma sociedade rica e próspera liderada por uma “rede de alta tecnologia” em cobre.



Esse metal, usado na Antiguidade para produzir ferramentas e armas, exige vários estágios e níveis de conhecimento.



Ben-Yosef e sua equipe analisaram centenas de descobertas de antigas minas de cobre na Jordânia (Faynan) e Israel (Timna) para reconstruir a evolução e o refinamento da indústria manufatureira de cobre ao longo de 500 anos, entre 1300 a.C. e 800 a.C. Eles identificaram mudanças drásticas na escória de cobre descoberta nos locais de Arava.



Eficiência aumentada

“Usando a evolução tecnológica como sinal dos processos sociais, conseguimos identificar e caracterizar o surgimento do reino bíblico de Edom”, explicou Ben-Yosef. “Nossos resultados provam que aconteceu antes do que se pensava anteriormente e de acordo com a descrição bíblica.”



A nova pesquisa indica que a intervenção do Egito na terra de Edom não foi acompanhada de destruição. Em vez disso, deflagrou um “salto tecnológico” que incluía produção e comércio de cobre mais eficientes.