Estrangulamento de padre choca moradores de Brasília A morte por estrangulamento de um padre polonês em Brasília está sendo investigada pela 2ª Delegacia de Polícia (Asa Norte) como latrocínio – roubo seguido de morte. Para o delegado Laércio Rossetto, ao menos quatro homens participaram da ação.

Todo o terreno da igreja foi periciado pela polícia no domingo (22). Além disso, o caseiro feito refém participou da reconstituição do crime, mas não conversou com a imprensa. Ele estava machucado nos pés e nas mãos.

A polícia desconfia que os bandidos tenham levado dinheiro, jóias e relógios da casa paroquial.

O padre Casemiro, como era conhecido Kazimerz Wojn, de 71 anos, se dedicava ao sacerdócio havia 46 anos. Ele nasceu na Polônia, mas morava no Brasil desde a década de 1980.

Nesta segunda-feira (23) a Paróquia Nossa Senhora da Saúde, na Asa Norte, em Brasília, onde o padre atuava e morava, fiéis e autoridades se reuniram para se despedir do religioso.

O sacerdote foi assassinado na noite de sábado (21) em uma obra no fundo do terreno da igreja. O corpo dele foi encontrado com os pés e as mãos amarrados, e com um arame enrolado ao pescoço. O caseiro também foi feito refém pelos bandidos.

Nos últimos anos, o padre superou um câncer de próstata e viu a violência rondar sua rotina. Em abril, no domingo de Páscoa, bandidos roubaram o sacrário da igreja, avaliado em R$ 20 mil. O item foi recuperado após doação da dona de um ferro velho.

Na semana passada, uma motosserra foi levada da obra da igreja e, na última missa que celebrou, o sacerdote falou longamente sobre violência durante a homilia.