Médica ora e paciente ateu se converte

A oração faz parte da rotina da médica Carolina Patalano, de 32 anos. Foi em uma conversa com Deus que ela escolheu sua profissão, pensando em usá-la para ajudar outras pessoas.



Já formada e especializada em neurologia, ela se tornou cirurgiã do Hospital Fiorito de Avellaneda, em Buenos Aires, Argentina. Foi lá que a médica decidiu colocar em prática o seu testemunho cristão através da oração, oferecendo aos seus pacientes a oportunidade de falar com Deus antes de cada cirurgia.



“Sempre pergunto à pessoa se quer que eu ore por ela. Ainda não encontrei alguém que recusasse a oração”, conta ela.



Certa vez, ao oferecer a oração para um paciente, ele disse: 



“Sou ateu, mas se você quiser, faça a oração”. 



Para a médica, aquela foi uma oportunidade para lhe mostrar o amor de Deus, mesmo para com uma pessoa que dizia não acreditar em sua existência.



“Eu orei e nos despedimos. Na semana seguinte, ele passou por mim no hospital e me disse que lhe aconteceram muitas coisas e que, desde então, cria em Deus”, disse Caroline. “Evidentemente, lhe ocorreram coisas que lhe mostraram, de acordo com sua lógica, que Deus existia.”.



Carolina sabe que Deus pode intervir em favor de cada pessoa, mas também reconhece que, segundo estudos científicos, a oração desencadeia efeitos químicos benéficos em quem confia no poder sobrenatural da fé.



“Nessas pesquisas foi descoberto que a oração melhora a qualidade de vida, diminui os níveis de estresse, de ansiedade e de desesperança. São benéficos à saúde mental que repercutem na saúde física. Faz bem ao paciente lhe dar essa atenção”, conclui a médica.