Ataque à igreja na Síria chama à atenção para guerra que já dura mais de 11 anos A guerra na Síria já dura 11 anos e os bombardeios continuam gerando graves consequências aos cristãos, como fuga, exílio, morte e igrejas bombardeadas. No domingo, 24 de julho, uma igreja ortodoxa grega foi atacada por dois drones durante culto de consagração na cidade de Suqaylabiyah, Centro da Síria. Uma pessoa foi morta durante a explosão e outras 6 pessoas ficaram feridas. Fontes da organização Portas Abertas confirmaram que todas as vítimas eram cristãs. A maioria no culto era de cristãos sírios, mas havia também oficiais do governo na cerimônia.

Cinco dos feridos tiveram lesões superficiais e a sexta vítima também não teve ferimentos muito graves, mas precisou ficar internada sob cuidados médicos. A explosão não atingiu diretamente a parte central do templo onde o culto acontecia, nem prejudicou de fato a estrutura do prédio, apenas as seis vítimas que estavam fora da parte central foram atingidas, segundo os parceiros locais da Portas Abertas.

O templo foi construído sob inspiração da conhecida igreja histórica bizantina Santa Sofia, da Turquia. Em setembro de 2020, o primeiro pilar da réplica Síria, a pequena Santa Sofia, foi fundado na cidade de Suqaylabiyah que tem aproximadamente 17 mil residentes, sendo a maioria, cristãos ortodoxos. Parte da intenção do projeto é retomar o significado cristão da igreja, já que, na Turquia, os muçulmanos fecharam a Santa Sofia original em 2020 e tornaram-na um museu e local de oração para muçulmanos, portanto na réplica síria lembraria o significado real da construção.

Este não é o primeiro ataque contra cristãos este ano vindo da Turquia. Em maio, um vilarejo predominantemente cristão, no Norte da Síria, foi bombardeado e quase que totalmente abandonado. De acordo com organizações parceiras da Portas Abertas que atuam na região, há bombardeios e tiroteios quase que diariamente no país. Fotos de uma igreja danificada foram compartilhadas no Facebook. "Essa região é regularmente atacada pela Turquia e seus aliados. A igreja foi atingida por canhões e mísseis", relatou um membro da organização.

Segundo a agência de notícias siría-árabe (SANA, da sigla em inglês), o grupo rebelde de origem turca, Hayat Tahir al-Sham (HTS, da sigla árabe) é responsável pelo ataque. O grupo é conhecido como filiados da Al Qaeda e, recentemente, aprendeu a produzir vários tipos de explosivos que podem ser controlados remotamente e alcançam alvos distantes. Acredita-se que esse ataque foi operado a partir da região de Greater Idlib, nordeste da Síria.

A Síria está em 15ª posição na Lista Mundial da Perseguição 2022, documento editado todos os anos pela Portas Abertas que classifica os 50 países onde os cristãos são mais perseguidos.



*Portas Abertas