Polícia do Reino Unido retira acusações contra idosa presa por orar em frente à clínica Defensores da liberdade religiosa comemoraram a decisão de um departamento de polícia do Reino Unido que retirou as acusações contra uma idosa presa e multada por fazer uma oração silenciosa do lado de fora de uma clínica de aborto.

A ADF UK, um capítulo da aliança legal sem fins lucrativos Alliance Defending Freedom, anunciou em um comunicado na segunda-feira (18) que o Departamento de Polícia de Merseyside retirou as acusações contra Rosa Lalor, de 76 anos, por ela orar silenciosamente fora de uma clínica de aborto durante a pandemia de coronavírus em fevereiro de 2021.

A multa cobrada contra Lalor também foi retirada.
Os problemas legais de Lalor começaram em 24 de fevereiro de 2021, quando um policial perguntou por que ela estava ao ar livre durante os bloqueios implementados para conter o coronavírus. Quando ela respondeu que estava "andando e orando", o oficial disse que ela não tinha uma desculpa "razoável" para fazer aquilo, porque ela não estava em uma igreja.

Um resumo do caso compilado pela ADF observa que "durante o confinamento em 2021, Rosa sempre teve o cuidado de seguir as regras". Especificamente, "ela deu uma caminhada na maioria dos dias, como era permitido, e até usava uma máscara, o que não era necessário, a fim de tomar precauções extras."

"Estou muito satisfeita que a acusação tenha voltado atrás depois de uma longa e exaustiva batalha por justiça", disse Lalor em um comunicado. "Aceitei este desafio com o apoio da ADF UK para mostrar que todos temos o direito fundamental de orar – não menos importante, orar como eu fiz, na privacidade da minha própria mente."

"Foi errado o policial me dizer que eu não podia orar em uma rua pública", acrescentou. "É importante que os oficiais respeitem a liberdade religiosa básica e melhorem sua compreensão de como esse direito se manifesta, a fim de manter uma sociedade verdadeiramente tolerante."