Quadrilha do PIX sequestra arquitetas e dá prejuízo de mais de R$ 150 mil Duas arquitetas passaram 8 horas em poder de integrantes de um grupo criminoso chamado “Quadrilha do Pix”, que se passaram por clientes. O caso aconteceu há cerca de duas semanas, em São Paulo/SP, e foi divulgado pela BBC News Brasil.

Anna Novaes, de 52 anos, e uma amiga que trabalha com ela, que não teve a identidade revelada, foram enganadas por dois homens que fingiram ser clientes e marcaram uma reunião no Jaraguá, na Zona Norte de São Paulo. Lá, eles renderam as arquitetas que foram feitas reféns durante quase 8 horas.

As vítimas relataram que tiveram os aplicativos e informações pessoais investigados pelos bandidos. Anna disse ainda que ao menos quatro pessoas faziam parte da quadrilha, dois fizeram a emboscada, um terceiro com quem a dupla conversava e um último, que chegou no final e era chamado de "menor" pelos criminosos.

Anna conta que os criminosos gastaram R$ 15 mil em compras nos cartões de crédito dela, além de realizarem um saque de R$ 10 mil de sua conta no banco Santander e fizeram um empréstimo de R$ 5 mil transferido para outras contas por Pix.

O banco foi procurado pela BBC News Brasil e alegou que "resolveu o caso junto à cliente". Já no Itaú, a quadrilha fez um empréstimo de R$ 130 mil em nome de Anna, mas só conseguiram sacar R$ 20 mil por conta de um bloqueio automático determinado pela instituição financeira. 

A arquiteta contou que o banco já havia devolvido R$ 14 mil e estornou os R$ 6 mil após o contato da reportagem.

A amiga de Anna também teve suas contas invadidas, mas os valores não foram informados à reportagem.

Durante as horas de sequestro, os celulares delas foram deixados em modo avião e os bandidos faziam questão de mostrar que estavam armados.

Libertação
Num determinado momento, o celular do criminoso que vigiava as amigas tocou, e Anna contou que o “Menor” começou a tremer.
Depois de 15 minutos, elas se deram conta que ele as tinha abandonado, sentadas na raiz de uma árvore enorme. Anna conta que elas caminharam um pouco para o lugar por onde achavam que tivessem vindo. Mas viram uma estrada e um carro preto parando.

Anna disse que se perdeu e não conseguiu voltar para o lugar onde estavam. Ao andar para outro sentido, as duas viram três homens parados, olhando na direção delas.

"Um senhor disse: 'Pode sair'. Eu olhei para o lado, e tinha uma viatura da polícia. O senhor mora na região, viu os criminosos, desconfiou da movimentação e chamou a polícia. Como eles tinham olheiros, o menino que estava com a gente foi avisado, e ninguém foi preso", disse ela.

A quadrilha levou os celulares das vítimas e dois pares de brincos de ouro. As bolsas foram devolvidas com tudo o que havia dentro, incluindo os documentos. Anna recebeu de volta o valor do celular por conta de um seguro. O carro dela foi encontrado dois dias depois.