Apenas 3% dos missionários cristãos em todo o mundo se concentram em grupos não alcançados

Para nós brasileiros é comum entrar em contato direto ou indireto com o Evangelho ou o Cristianismo em qualquer dia. Nós temos total liberdade para ler a Bíblia, ir à igreja, fazer reuniões de estudo da Palavra em casa.

Mas quando se trata do resto do mundo, há amplas faixas de pessoas que nunca foram à igreja, leram a Bíblia ou mesmo reconhecem o nome de Jesus.

Esses grupos de pessoas são considerados os "não alcançados", segundo o ministério Joshua Project, uma organização cristã que acompanha os esforços globais de evangelismo entre 17.000 grupos de pessoas em todo o mundo.

Das cerca de 7,7 bilhões de pessoas no planeta, mais de 3 bilhões são consideradas não alcançadas ou menos alcançadas. Desses, aproximadamente 7.000 grupos de pessoas foram categorizados como não alcançados, o que significa que menos de 2% se identificam como cristãos evangélicos e menos de 5% se identificam como alguém que reivindica qualquer forma da religião cristã.

Os recursos do Grupo de Pessoas Não Alcançadas indicam que pelo menos 2% da população é necessária para alcançar um grupo inteiro.

Ao todo, os não alcançados do mundo compreendem quase 42% da população global, de acordo com o ministério global do evangelismo East-West.

Vários fatores estão por trás do motivo pelo qual esses grupos não são alcançados, incluindo barreiras físicas, políticas e culturais.

Muitos desses grupos de pessoas vivem em terrenos em grande parte inacessíveis ou cantos distantes do sul da Ásia, Oriente Médio e norte da África, tornando o acesso a evangelistas extremamente desafiador.

Mas além das barreiras físicas, muitas vezes, missionários enfrentam dificuldades culturais e políticas - incluindo perseguição - simplesmente por avançar o Evangelho em nações e áreas hostis.

As religiões do Islã, hinduísmo e outras normalmente dominam na maioria dos países onde os grupos não alcançados vivem, enquanto outras culturas tendem a desaprovar a conversão ao cristianismo ou outras religiões.

Esses fatores explicam por que alguns evitam fazer o esforço completamente: dos cerca de 400 mil missionários cristãos em todo o mundo, apenas 3,3% estão focados em UPGs, de acordo com dados da Equipe de Viagem citados pelo East-West.

John Maisel, fundador do East-West, diz que Deus finalmente fica com a glória quando seu povo voluntariamente corre riscos para o Evangelho.

"O maior prazer de Deus é quando seus filhos escolhem pela fé sair da segurança do barco para encontrá-Lo e seguir sua liderança", escreveu ele em um post no blog.

No início deste ano, o autor e pastor David Platt falou sobre a necessidade de missões durante a Conferência Juntos para o Evangelho em Louisville, Kentucky, nos EUA.

Citando os mais de 3 bilhões em todo o mundo que são "não alcançados", Platt disse que "não alcançado" simplesmente não significa ser um incrédulo, mas sim significava que era uma comunidade onde as pessoas não tinham acesso ao Evangelho.

"As pessoas estão tão perdidas em Kentucky e nos lugares onde a maioria de nós vive como no Iêmen", disse Platt. "A diferença é que há igrejas em Kentucky e todos os lugares onde a maioria de nós vive. Igrejas pregadoras do evangelho."