Psicóloga faz alerta sobre Felipe Neto

A psicóloga cristã Marisa Lobo é uma árdua defensora da Escola sem Partido e da proteção de crianças e adolescentes contra conteúdos impróprios à idade. Recentemente ela pediu para que os pais “não permitam que séries, blogs, digam aos seus filhos como agir ou pensar”.



Depois que o Youtuber Felipe Neto, que possui milhões de seguidores nas redes sociais, chamou atenção ao anunciar a compra de 14 mil exemplares de um gibi com ilustrações homossexuais para distribuição gratuita na Bienal do Livro, pais, mães e profissionais de saúde, como a psicóloga, escritora e palestrante Marisa Lobo, viram nele uma figura com o potencial de influenciar negativamente crianças e adolescentes.



“Como Psicóloga recomendei em um evento para 1.000 mulheres em São Luis do Maranhão (Ad.Tirirical) para os pais monitorarem os canais e conteúdos de YouTube e não permitirem que seus filhos assistam principalmente #FelipeNeto”, escreveu Marisa Lobo em suas redes sociais.



Marisa Lobo viaja o Brasil inteiro dando palestras sobre temas relacionados à família, educação, sexualidade e suicídio. Ela afirmou que fará o mesmo alerta nos eventos seguintes.



“Além desse evento onde palestrei sobre Sexualidade, em outro evento de família a orientação foi a mesma”, contou a psicóloga.



"Desde que soube da influência que esse blogueiro exerce sobre as crianças, há 2 anos, resolvi assistir e confesso, fiquei indignada e preocupada com as temáticas e narrativas do blogueiro, desde então, em todas minhas agendas tenho recomendado aos pais e alertado aos jovens para abolir de suas lista Felipe Neto, por considerá-lo uma péssima influência”, destacou Marisa.



Segundo a psicóloga, Felipe Neto “ensina crianças a falarem palavrão, desrespeitar os pais na tentativa de promover claramente os movimentos LGBTs, erotizando e por vezes desconstruindo a moral, as tradições das crianças”.



Para Marisa Lobo a educação dos filhos é dever dos pais.



“Eduquem seus filhos, não permitam que séries, blogs, digam aos seus filhos como agir ou pensar. Cabe aos pais este papel”, finaliza a psicóloga.