Vacinas contra gripe são associadas a redução de 40% do risco de Alzheimer De acordo com um estudo recente publicado pelo Journal of Alzheimer's Disease, pesquisadores da UTHealth Houston, nos EUA, descobriram que pessoas que receberam pelo menos uma dose da vacina contra a gripe eram 40% menos propensas do que seus pares não vacinados a desenvolver a doença de Alzheimer ao longo de quatro anos.

Em uma grande amostra nacional de adultos americanos com 65 anos ou mais, publicada em 13 de junho de 2022, durante quatro anos de consultas de acompanhamento, cerca de 5,1% dos pacientes vacinados contra a gripe desenvolveram a doença de Alzheimer (DA).

Enquanto isso, 8,5% dos pacientes não vacinados desenvolveram AD durante o acompanhamento deste estudo.

Essa descoberta é importante, pois a AD afeta cerca de seis milhões de pessoas que vivem nos EUA.

"A força desse efeito protetor aumentou com o número de anos em que uma pessoa recebeu uma vacina anual contra a gripe – ou seja, a taxa de desenvolvimento do Alzheimer foi menor entre aqueles que receberam consistentemente a vacina contra a gripe a cada ano", comentou o primeiro autor Avram S. Bukhbinder, M.D., um ex-aluno recente da McGovern Medical School na UTHealth Houston, em um comunicado de imprensa emitido na sexta-feira (24).

"Pesquisas futuras devem avaliar se a vacinação contra a gripe também está associada à taxa de progressão dos sintomas em pacientes que já têm demência de Alzheimer."

Estudos anteriores encontraram um risco reduzido de demência associada à exposição prévia a várias vacinas da idade adulta, incluindo as de tétano, poliomielite e herpes, além da vacina contra gripe e outros.

Embora várias vacinas contra a gripe aprovadas pela FDA (agência regulamentadora de saúde) dos EUA estejam disponíveis hoje, a agência ainda não aprovou uma vacina preventiva.


Foto: Divulgação / UTHealth Houston