Pintor confessa assassinato de idosa e diarista e culpa comparsa pelo crime Jhonatan Correia Damasceno, de 32 anos, foi preso nesta sexta-feira (10), na favela de Acari, na Zona Norte do Rio, acusado de ligação com a morte da aposentada Martha Maria Lopes Pontes, de 77 anos, e de sua diarista, Alice Fernandes da Silva, de 51.

O homem é um dos pintores flagrados por imagens de câmeras de segurança de um elevador do prédio de luxo onde as vítimas foram encontradas na véspera com cortes no pescoço, na Avenida Rui Barbosa, no Flamengo, na Zona Sul da cidade. O corpo da patroa, de acordo com o exame de necropsia do Instituto Médico-Legal (IML), ainda foi queimado dentro do imóvel.

Segundo a Delegacia de Homicídios da Capital (DHC), responsável pelas investigações, Jhonatan confessou participação nas mortes. No entanto, ele afirmou que a ideia de cometer o crime partiu do comparsa, identificado como Willian Oliveira Fonseca, que também teve a prisão decretada e é considerado foragido.

De acordo com a DHC, antes de cometer os assassinatos, a dupla fez a patroa e a diarista reféns. Enquanto Willian mantinha as mulheres em cárcere, Jhonatan foi a um banco próximo e fez três saques de R$ 5 mil em nome de Martha Maria, devidamente autorizados por ela, que permanecia rendida, em seu apartamento. Ao retornar, a dupla teria decidido matar as duas mulheres.

Logo após a prisão de Jhonatan, o governador Cláudio Castro comentou o caso nas redes sociais. "Menos de 24 horas após o covarde assassinato de Martha Maria Lopes Pontes, 77 anos, e Alice Fernandes da Silva, 51, em um apartamento no Flamengo, a Polícia Civil identificou e prendeu em Acari um dos suspeitos do crime, que chocou a sociedade. Parabéns à Polícia Civil pela competência e rapidez na ação", escreveu o governador.